Pelo telefone

CULPA

Em meio aos telefonemas de rotina que atende na emergência de uma delegacia em Copenhagen, ouvindo vozes de bêbados e drogados, Asger (Jakob Cedergren) recebe pedido de socorro de uma mulher que está sendo sequestrada. O policial precisa agir com inteligência e sensibilidade para tentar salvá-la e proteger seus filhos pequenos, que estão sozinhos em casa. Tudo pelo telefone. Mas, a partir de um dado momento, as coisas mudam radicalmente de figura.

Asger tem um problema de consciência a respeito de um fato pelo qual será julgado no dia seguinte. Cumprir bem essa missão torna-se uma questão de honra pessoal. Daí a razão do título CULPA (no original, O Culpado). Isso é tudo o que sabemos desse homem opaco e irritadiço. Dos outros personagens, só ouvimos as vozes pelo telefone.

Estamos presos com Asger na sala da delegacia, impotentes como ele para agir diretamente. As angústias e as revelações nos chegam em conversas entrecortadas por ruídos de rua e do interior de carros. CULPA vem sendo generosamente elogiado pelo trabalho de som, coisa que a mim não impressionou de maneira especial.

Na verdade, nada me impactou nesse exemplo correto e sóbrio de um cinema de câmara, em que todo o espaço da ação só pode ser imaginado, nunca visto. O rumo razoavelmente surpreendente que toma a história, com sua mensagem moral, não chega para alçá-la além de uma tragédia sem contexto. A meu ver, o filme de estreia de Gustav Möller não justifica a admiração que vem recebendo, nem muito menos uma possível indicação ao Oscar de filme estrangeiro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s