Ronda de verão

A CASA DE VERANEIONo cinema francês existe uma tradição que tem sua matriz em Une Partie de Campagne e A Regra do Jogo, de Jean Renoir. Um grupo de família e amigos se reúne no campo para se divertir e se agredir mutuamente, além de manter relações transversais com a classe dos empregados. A CASA DE VERANEIO pertence a essa linhagem. Valeria Bruni-Tedeschi dirige e lidera o elenco no papel de Anna, uma diretora de cinema recém-abandonada pelo marido que se refugia na casa da Côte d’Azur para tentar escrever um novo roteiro. Ela divide seu tempo de tela com vários outros personagens.

Há a irmã meio maluquete (Valeria Golino), ligada à memória do irmão falecido, dado a reaparições fantasmáticas aqui e ali. Há o marido da irmã (Pierre Arditi), dono da propriedade em estado falimentar. Tem o amigo da família (Bruno Raffaelli) que esconde suas carências em performances divertidas. E a empregada casada (Yolande Moreau) que flerta com o vigia noturno enquanto o marido, aparvalhado, adora lamber as orelhas do patrão.

Essa ronda de figuras no limite da caricatura se espalha pelo filme sem ordem ou linearidade. A narrativa é solta o suficiente para sermos agraciados a cada momento com uma pequena surpresa, uma reação estapafúrdia ou uma tirada hilariante. Quem procurar um sentido mais organizado vai se decepcionar. Valeria limita-se a fazer uma crônica fragmentada de uma família burguesa decadente que tenta se manter à tona da catástrofe.No pano de fundo está uma pequena vingança da diretora. Ela foi casada com o galã Louis Garrel de 2007 a 2012. Ele a trocou pela atriz iraniana Golshifteh Farahani. No filme, seu marido Luca (Riccardo Scamarcio) é um chato blasé que se enrabichou com uma modelo de lingerie. Anna implora pateticamente por sua volta, mas o retrata como alguém para quem, creio eu, nenhuma mulher gostaria de voltar.

O teor autobiográfico e familiar segue o mesmo figurino de seu filme anterior, Um Castelo na Itália. Sua mãe, Marisa Borini, e a filha adotiva de Valeria e Garrel, a pequena senegalesa Oumy Bruni Garrel, fazem seus respectivos papéis. A atriz e roteirista Noémie Lvovsky, que ajudou Valeria a escrever CASA DE VERANEIO, também integra o elenco como a corroteirista do próximo filme de Anna – também autobiográfico – e não escapa à ciranda de amores fortuitos daqueles dias de verão.

Essas injunções não têm grande importância para o que se passa na tela, mas trazem um subtexto curioso para um filme despretensioso e meio vadio, mas simpático e divertido.

P.S. É de se perguntar o que faz o austero documentarista Frederick Wiseman no papel (mudo) de um dos avaliadores do projeto de Anna no pitching da cena inicial.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s