Alegorias flutuantes

O ÚLTIMO TRAGO

O ÚLTIMO TRAGO, realização de 2016, é um dos filmes mais silenciosos e enigmáticos do recente cinema brasileiro. Silencioso não somente porque bem pouco se fala (o primeiro diálogo vem aos 23 minutos e os demais são bastante esparsos), mas porque se vale mesmo pouco das palavras para construir sua narrativa mítica. Os atores eventualmente dizem textos de Breton, Bataille, Murilo Mendes, Haroldo de Campos e Rui Barbosa, mas o filme articula suas ideias em outro plano, o das imagens.

São três grandes blocos unidos pelo fantasma de uma índia, que ora é uma stripper, ora uma vingadora armada. Em cada bloco, um personagem surge do nada para dominar a cena: um homem, uma cantora ruiva e uma negra saída do mar.

Percebe-se a intenção de uma alegoria política sobre personagens historicamente marginalizados e oprimidos na história do país, algo que a Mangueira expressou com clareza e valentia neste Carnaval. Mas, bem ao contrário, não é fácil apreender o sentido semioculto nos tantos mistérios espargidos pelo filme, seja no bar sertanejo onde os homens cultivam o silêncio, seja na mesa espírita que invoca a índia morta, ou ainda no crime célebre que estaria por trás do desaparecimento de três jovens revolucionárias. Fala-se em opressão, destruição e podridão, mas da boca para fora, isto é, com um distanciamento meticulosamente construído.

Os diretores Luiz Pretti, Ricardo Pretti e Pedro Diogenes usam uma linguagem flutuante que parte do road movie surrealista, envereda pela encenação brechtiana com direito a cabaré, flerta com a estética de um Edward Hopper do sertão e desemboca, em tela quadrada, num clima onírico meio lynchiano. São referências muito díspares, eu sei, mas foi o que as cenas me sugeriram.

Esse é o filme que mais radicaliza a tendência mitologizante, latente em várias produções do coletivo cearense Alumbramento, como “Estrada para Ythaca” e “Doce Amianto”. Joga uma roupagem contemporânea sobre cenário tosco e história de aspiração transcendental. Às vezes soa intrigante, às vezes parece apenas postiço. O requinte da iluminação e do engendramento dos planos do fotógrafo Ivo Lopes Araújo é talvez o maior fator de coesão de um filme que, em busca do inefável, se abriu para além do apreensível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s