Viagem ao desejo de cinema

3 FACES

Combinar simplicidade e complexidade tem sido uma marca dos melhores filmes iranianos desde a década de 1980. Jafar Panahi nos dá mais uma demonstração disso em 3 FACES.

O diretor de O Balão Branco, Isto Não é um Filme e Taxi Teerã se aproxima aqui do seu mestre Abbas Kiarostami para pavimentar um road movie na fronteira entre o registro do real e a invenção ficcional. Faz menções quase explícitas a filmes como O Gosto da Cereja e O Vento nos Levará. Mas, estruturalmente, é à trilogia da busca de Kiarostami que o filme parece querer se integrar.    

Mais uma vez dirigindo ao mesmo tempo o filme e um carro, Panahi se lança pelas montanhas do interior do Irã à procura de alguém. Vivendo seu próprio papel, ele viaja com a atriz Behnaz Jafari, emocionada com a videocarta de uma moça que lhe pede socorro para seguir a carreira dramática proibida pelos pais. O vídeo se conclui com um aparente suicídio. A meta é encontrar a casa da moça enquanto a vida continua através das oliveiras.

Outro traço desse moderno cinema iraniano é dramatizar a relação polarizada das pessoas comuns com o cinema. Pensemos em Salve o Cinema e Através das Oliveiras. De um lado, a fascinação pela magia e o estrelato, como se vê na recepção dos aldeões à chegada de Panahi e especialmente de Behnaz. De outro, a rejeição dos mais conservadores à ideia de um de seus filhos optarem pelo mundo da arte. O filme contempla, ainda, a expectativa pela “utilidade” dos artistas para ajudar a resolver os problemas da comunidade.

À medida que avança na estrada e nos contatos com o povo, a dupla vê crescerem as ambiguidades dessa relação com o cinema – inclusive entre eles, na medida em que Behnaz chega a duvidar das intenções de Panahi com a viagem. Não seria isto apenas mais um filme dele?

3 FACES põe em cena o desejo de cinema da mulher iraniana em três níveis: Marziyeh (Marziyeh Rezaei), a jovem aspirante disposta a quase tudo para realizar seu sonho; Behnaz, a atriz em pleno auge da popularidade; e Shahrzad, veterana atriz e dançarina de antes da Revolução Islâmica, hoje vivendo pobre e proscrita num ermo da aldeia, a ponto de praticamente não aparecer sequer para a câmera de Panahi.

O cineasta tece esses fios sem pressa e em seu habitual envolvimento íntimo com o assunto. No entanto, pela primeira vez em seus recentes filmes semi-autobiográficos, não senti uma vaidade dissimulada por falsa modéstia. Nem a interdição de filmar pelo governo iraniano é mais o dispositivo principal. Ele se mantém em comedido retraimento, deixando o protagonismo para os outros personagens. Os encontros com os velhos habitantes da vila são momentos de uma comicidade impagável, mas que sempre ilustram o pensamento peculiar, os atavismos e contradições de uma comunidade ao mesmo tempo receptiva e fechada em seus dogmas.

Ao contrário da maioria dos críticos internacionais, que acharam 3 FACES um filme menor de Panahi, eu o tenho na conta de seu trabalho mais íntegro e cativante desde que caiu em desgraça junto ao governo do Irã.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s