A polícia em área de sombra moral

A DIVISÃO

A série A DIVISÃO, exibida no Globoplay em 2019, virou filme para contar ficcionalmente como a Divisão Antissequestro da Polícia Civil terminou com a onda de sequestros que assombrou o Rio de Janeiro na segunda metade dos anos 1970. Alguns personagens são identificáveis com figuras reais, como o general (Nilton Cerqueira) que comandava a Secretaria de Segurança Pública e o chefe da Polícia Civil, decalcado em Hélio Luz. Outros deslizam entre a corrupção e a ultraviolência, conferindo uma mancha de amoralidade ao sucesso da operação.

Como costuma acontecer, a coisa pega fogo quando um membro da elite se torna vítima. A filha de um poderoso deputado, candidato a governador do estado, é sequestrada. A DAS (no filme identificada com um “A” a mais) precisa, então, agir decisivamente. É quando se instala o conflito entre os métodos utilizados pelo comandante da Divisão (Silvio Guindane), um novo integrante acostumado a extorquir bandidos (Erom Cordeiro) e o delegado vivido por Marcos Palmeira.

A proposta do filme, um pouco na trilha de Tropa de Elite, é mostrar o trabalho da polícia numa área de sombra moral. Os fins poderiam ou não justificar os meios. E os que posam de heróis nem sempre têm a conduta correspondente. Os sequestros, por sua vez, são evocados como uma rede de negócios onde não só os bandidos se beneficiavam dos pagamentos de resgates.

A DIVISÃO é uma bomba de testosterona, suor e sangue. Vicente Amorim usa sua tarimba eclética junto a uma equipe de primeira no gênero do filme de ação. Não há espaço para sutilezas nem aprofundamento de personagens. A estética de série de TV prevalece sobre a do cinema mediante insistentes closes, ritmo acelerado e uma edição que desorienta espacialmente o espectador em troca da produção de adrenalina.

A mim incomoda a fetichização dos ícones policiais (armas, distintivos, viaturas, tatuagens) e da favela e da periferia como meros cenários de tiroteios estetizados. A brutalização reiterada da moça sequestrada também parece apelar ao instinto mais básico de certas plateias. Quanto à caracterização dos “homens da lei”, imperam os semblantes e entonações de policiais americanos, numa amostra de fidelidade maior aos cânones do gênero do que aos modelos da realidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s