A utopia ao revés dos guaranis

TRINTA POVOS no Canal Curta!

“Terra Sem Males”, “Terra Prometida”, “O Grande Paraguai”… São muitos os nomes fabulosos com que os guaranis se referem a suas terras desde antes dos tempos da colonização. A utopia guarani foi dizimada pela chegada dos jesuítas e a imposição do catolicismo e de traços da cultura europeia. Um legado que sempre foi ambivalente, dividido entre os benefícios da organização social e do ensinamento artístico e os malefícios da semi-escravização e da desfiguração mítica e cultural.

O documentário Trinta Povos, do gaúcho Zeca Brito (Glauco do Brasil, A Vida Extra-Ordinaria de Tarso de Castro, Legalidade) ronda o assunto sem fazer dele a questão central. O que ressalta no filme é o lastro de passado comum entre as comunidades guaranis remanescentes no Brasil, no Paraguai e na Argentina. A arte, a cultura e as práticas religiosas formam um patrimônio pouco conhecido de nós brasileiros do Sudeste para cima.

As Missões Jesuíticas do Brasil hoje se restringem a belas ruínas, dados os conflitos com outras tribos e a caçada dos bandeirantes. O abrigo das reduções jesuíticas foi uma forma de proteção com alto preço. Os que não queriam pagá-lo fugiam para a mata. Já no Paraguai e na Argentina, várias construções se preservaram melhor e continuam sendo usadas pela população.

Com seu olhar habitualmente atento aos detalhes, Zeca Brito faz um belo inventário da arquitetura, das esculturas exuberantes do barroco jesuítico-guarani (muitas realizadas por indígenas sob orientação dos padres) e de hábitos como o mate e as devoções espirituais. Nativos guaranis, pesquisadores e até guias turísticos são convocados para descrever e discutir um quadro etnográfico e político que chega até os nossos dias, com os movimentos de resistência camponesa do Paraguai.

Ainda que guiado pela palavra, Trinta Povos exibe uma visualidade muito atraente ao percorrer os territórios das Missões. A filmagem com drones nas ruínas explora promenores magníficos, como o friso dos anjos-músicos na Igreja da Santissima Trinidad, no Paraguai.

Zeca Brito parece dar preferência a captar a fala das pessoas em plena ação do dia a dia, seja matando um porco, cuidando de uma criança ou guiando um passeio cultural. Isso cria uma boa dinâmica, assim como o frequente interesse da câmera pelas performances infantis.

Os antigos trinta povos guaranis são hoje uma etnia sob risco, dividida entre cinco países e várias tribos. A origem comum é uma utopia ao revés, localizada no passado, que esse documentário ajuda a compreender.

Trinta Povos passa no Canal Curta! na terça, 23/6 às 18h. Reprises: 24/06 (qua), às 4h e às 12h; 25/06 (qui), às 6h; 27/06 (sab), às 7h e 28/06 (dom), às 3h40min.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s