Recine começa sob a luz de Helena

Em A Mulher da Luz Própria, Helena Ignez reconta sua história sob a direção da segunda filha, Sinai Sganzerla, num filme que faz jus à beleza, à integridade e à vocação mutante dessa imensa artista brasileira. O filme descerra a cortina sobre a nova edição do Recine 2020 – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, que acontece inteiramente online e gratuito a partir desta segunda, 17/8, e até o dia 27/8.

Depois de ser criado no âmbito do Arquivo Nacional em 2002 e passar, a partir de 2013, para a Cinemateca do MAM e outros espaços do Rio de Janeiro, o Recine é assumido agora por Cavi Borges para cruzar o período de pandemia sem sessões presenciais. Os filmes serão exibidos na página Recine do Facebook e nos sites do Vertentes do Cinema, da Cinemateca do MAM e da Academia Internacional de Cinema, conforme programação descrita aqui.

Haverá filmes novos de Silvio Tendler, Sylvio Lanna e Emília Silveira, além de uma série de homenagens e sessões especiais, tudo ancorado na utilização e ressignificação de materiais de arquivo. Veja mais detalhes ao fim da matéria.

Mulher em movimento

“Quem é Helena Ignez?”, indaga-se ela mesma na primeira cena de A Mulher da Luz Própria. Pergunta difícil de responder sobre quem foi cronista social e glamour girl na juventude em Salvador, figura angelical em filmes do Cinema Novo, a menina-bandida Sonia Silk no Cinema Marginal, a Lilavan Devi Dasi na imersiva passagem Hare Krishna pela Índia, até chegar à diretora brechtiana e espiritualizada de A Canção de Baal, Luz nas Trevas, A Moça do Calendário e outros atrevimentos.

O documentário de Sinai atravessa poeticamente essa trajetória, tendo como estribilho as andanças incansáveis de Helena por cenários de várias cidades do mundo. A ideia de uma mulher em permanente movimento se concretiza não só fisicamente, mas sobretudo na inquietação que a fez trocar de pele diversas vezes ao longo da vida. Nordestina na Bahia, indígena na Índia, intensa nos silêncios e nos gestos, Helena Ignez convoca todas as forças do feminino na busca de se reconhecer.

Sem exatamente posar de vítima, ela deixa patente a inferiorização da mulher, mesmo em ambientes aparentemente insuspeitos como o artístico. Exemplo disso é a maneira como narra o inglório fim do seu casamento com Glauber Rocha, quando a desigualdade de gêneros a expulsou da Bahia e retirou-lhe a guarda da filha Paloma. Helena demonstra plena consciência do que é e também daquilo que não é. Rejeita os epítetos de musa e marginal, ao mesmo tempo que exalta sua relação com as Ligas Camponesas nos anos 1960, seu inconformismo diante de todas as opressões e a plena liberdade do desejo.

Sem o peso de aspirar a uma biografia exaustiva, deixando mesmo algumas reticências no ar, Sinai destacou os momentos decisivos da carreira da mãe – das rodas sociais ao teatro, ao cinema, à quiromancia e à plena autoralidade nos filmes. Um trecho particularmente bonito do documentário é o resgate das imagens filmadas por Rogério Sganzerla no exílio em Londres e no Marrocos, quando o casal abraça o visual hippie e a estética psicodélica. Essas cenas foram destacadas pela diretora no curta Extratos, também na programação do Recine.

Vale destacar o esmero de Sinai na seleção musical, em que clássicos brasileiros e latino-americanos convivem harmoniosamente com Chopin, Satie, Debussy, Kurt Weill e Walter Smetak. Impossível segurar as lágrimas quando a voz de João Gilberto acaricia a Valsa da Despedida durante a recordação da morte de Sganzerla. Ali se percebe o amor de uma família transbordando da tela para todos nós.

Homenagens e novidades

De Sinai Sganzerla será apresentado também o didático-crítico O Desmonte do Monte, sobre a demolição do Morro do Castelo. Bem ao gosto da generosidade do curador Cavi Borges, o Recine 2020 terá uma série de homenagens. As exímias documentaristas Susanna Lira e Emília Silveira terão retrospectivas de seus trabalhos, cobrindo os filmes biográficos da primeira e quatro longas da segunda. O doc mais recente de Emília, Tente Entender o que Tento Dizer, sobre a resiliência vital de personagens soropositivos, teve poucas exibições até agora.

“Recife/Sevilha – João Cabral de Melo Neto”

Sessões especiais vão contemplar o novo curta do cineasta de invenção Sylvio Lanna, Farofina, um Filme a ser Feito (com imagens de arquivo de sua viagem pela África na década de 1970) e os 100 anos de João Cabral de Melo Neto com o doc-poema audiovisual Recife-Sevilha – João Cabral de Melo Neto, de Bebeto Abrantes.

Os 80 anos do cineasta Antonio Carlos Fontoura e do artista plástico Roberto Magalhães serão comemorados com a estreia do novo curta de Fontoura sobre o pintor. É uma retomada do célebre curta Ver Ouvir (1966) sobre o trabalho de Magalhães, Antonio Dias e Rubens Gerchman. No novo Ver Ouvir – Roberto Magalhães, Fontoura retorna ao único do trio ainda vivo. A sessão dos dois curtas no dia 27/8 será seguida de uma live com cineasta e pintor, mediada por mim.

Entra tantas atrações, cabe citar ainda uma das primeiras exibições de Ferreira Gullar – Arqueologia do Poeta, de Silvio Tendler, e da cópia restaurada de Copacabana me Engana, o clássico de Fontoura estrelado por sua mulher Odete Lara e divinamente fotografado por Afonso Beato e Jorge Bodanzky.

A espertíssima vinheta do Recine 2020, criada por Christian Caselli:

4 comentários sobre “Recine começa sob a luz de Helena

  1. Helena ignes não foi só uma mulher, foi uma luz que iluminou a sombra dos preconceitos. Surgiu no cinema pelas mãos de Roberto Pires, no seminal “A Grande Feira”.

  2. Mais uma prova de que continuamos “atentos e fortes” diante das deploraveis tentativas de assaltar nossas tradicoes culturais, das quais o Cinema Brasileiro e seus herois sao parte intrinseca de sua fabrica. CINEMA EH REALIDADE, e EH essa verdade com cara de misterio que o RECINE realca e reforca. Mais o que todos estao fazendo para nao permitir que nossa imagens se percam nos poroes do autoritarismo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s