Da servidão à subversão

O TIGRE BRANCO na Netflix

“A maior democracia do mundo”, repete ironicamente o protagonista-narrador de O Tigre Branco (The White Tiger), referindo-se à Índia. “O futuro será dos amarelos e dos marrons”, repete ainda Balram (Adarsh Gourav) em sua pretensa carta ao então primeiro-ministro chinês em visita a Delhi em 2007. O filme de Ramin Bahrani tem no pano de fundo um retrato ácido da ascensão da Índia no mercado global de serviços e eletrônica à base de corrupção e exploração das castas inferiores. É baseado no best seller homônimo de Aravind Adiga, jornalista econômico que já passou pelo Financial Times e pelas revistas Money e Time. Ao que me consta, a observação da máquina capitalista está na base do seu romance.

O capitalismo indiano é um dos mais selvagens do mundo, pois se baseia na religião e no fatalismo social. Quem nasce no lado “escuro” está condenado à pobreza e à exclusão pelo resto da vida. Balram é um jovem nascido em aldeia miserável, mas tocado por uma centelha de ambição. Ele quer servir bem e ser recompensado por isso. Conquista um emprego de motorista numa família de mafiosos e vai para Delhi lamber as botas do patrão. Quando o filme começa, Balram já é um empresário bem sucedido em Bangalore que ambiciona se associar à China. Os flashbacks contarão a história de como ele chegou até ali.

As comparações que tenho visto com Parasita, a meu ver, estão longe de proceder. No filme coreano, os ardis da família para obter os empregos formam uma cadeia coesa de acontecimentos que explode no terceiro ato. O Tigre Branco, ao contrário, permanece num mesmo patamar pela maior parte de seus 125 minutos, deixando o desenlace esperado para um ato final implausível e dramaturgicamente pobre porque contado, e não vivenciado na tela. Em compensação, se Parasita descrevia um caso de pura vampirização, o filme indiano explora as filigranas de amor e ódio contidas na servidão.

Há um acúmulo de pequenos episódios destinados somente a ilustrar o funcionamento do abismo de classes na Índia, quase sempre comentados pela narração mordaz de Balram. O rapaz é explorado e chantageado tanto pelos patrões quanto pela própria família. À metáfora da jaula de galinhas para o notório conformismo dos desassistidos na Índia se contrapõe à do tigre branco, animal raro que só surge um a cada geração. Balram seria essa exceção à regra: ele escapa da jaula levando a um extremo individual o que o sistema faz coletivamente. Da submissão à subversão, sua passagem é brutal e brutalmente amoral.

Ninguém sai aborrecido desse filme ágil, comunicativo e muito bem interpretado. Mas a fórmula de best seller transparece na enunciação explicativa, no excesso de subplots, na visão demonstrativa das ruas indianas e na forma prosaica com que apresenta sua resolução.

4 comentários sobre “Da servidão à subversão

    • No último parágrafo do meu texto eu dou uma ideia do que penso ser o funcionamento da fórmula nesse filme. Mas existem outras, que só conto se contratar minha consultoria, rs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s