O amor dentro e fora da tela

Young-he, a personagem central de NA PRAIA À NOITE SOZINHA, é uma atriz em crise pessoal por conta do caso que mantém com um diretor de cinema casado. Ela visita uma amiga em Hamburgo e outros tantos na volta para a Coreia do Sul enquanto tenta clarear o cenário à sua volta. A ponto de desistir do amor, ela só faz questão de “morrer graciosamente”.

O argumento do filme é uma versão ficcional do affair do diretor Hong Sang-soo e da atriz Kim Min-hee, que vive Young-he. O romance começou nas filmagens de Certo Agora, Errado Antes e resultou na separação conjugal do cineasta e em muitas páginas de tabloides. NA PRAIA… se oferece, portanto, como um psicodrama da relação. Numa cena, Young-he desenha o rosto do amante na areia da praia e comenta que ele não é exatamente assim, mas é bem parecido. No grande momento culminante, atores representam o diretor e sua mulher num virulento acerto de contas com a atriz-amante. É uma daquelas sequências de saia justa à mesa do restaurante que nutrem a reputação de Sang-soo, levando ao extremo sua característica identificação entre cinema e vida.

Este filme não tem a fluência e as simetrias narrativas habituais em seus trabalhos recentes. O primeiro ato, na Alemanha, é narrado de modo esdrúxulo e desconexo. No segundo, algumas conversas falham em produzir as centelhas que sempre esperamos a cada vez que seus personagens começam a beber, fumar, comer e trocar impressões mútuas. Saí com a impressão de que há mais ressonâncias pessoais que material de interesse do público.

Ainda assim, não faltam momentos brilhantes, sobretudo pela insuperável maestria da direção de atores em longos planos-sequência de conversações complexas, de rumos imprevisíveis, e estados de espírito em montanha-russa. As típicas repetições de falas e situações ocorrem eventualmente, mas nunca há redundância. Um quinteto de Schubert lança acordes melancólicos sobre essa que é uma das obras mais sombrias do mestre coreano.

O filme é dividido em dois atos. No final de cada um, Young-he está sozinha numa praia quando algo de extraordinário lhe acontece. Ou poderia ter acontecido, se considerarmos as esferas do sonho e do nonsense. Ao que eu saiba, duas novidades em sua filmografia aparecem aqui: um personagem misterioso e surrealista e um esboço de relação lésbica. De resto, é a mesma mescla de assuntos prosaicos, impasses amorosos e referências ao cinema que faz o charme indiscreto do cinema de Hong Sang-soo.

2 comentários sobre “O amor dentro e fora da tela

  1. onde assistir este filme? no Festival do Rio? sugiro incluir nos posts que vc posta onde os filmes comentados estão sendo exibidos ou disponíveis. abs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s