O arroto do leão

Em O ANIMAL CORDIAL, a violência, o sangue e o sexo perdem o valor de realidade e assumem a feição de um ritual dos corpos, algo que flutua entre a cerimônia indígena e o delírio psicótico.

Macarrão milagroso

LÁMEN SHOP é mais um filme no gênero da culinária sentimental. Cresce um pouco ao refletir as rivalidades entre Cingapura e Japão.

Atualizando Cuba

Com sutileza e habilidade para interligar o coletivo e o individual, pode-se dizer que VINTE ANOS nos atualiza com a imagem de Cuba e seus movimentos às vezes imperceptíveis no rumo de um pós socialismo.

Ensaio de razão cínica

O ORGULHO procura um lugar intermediário entre o discurso bem comportado do politicamente correto e o preconceito escancarado. Arrisca-se a ser mal compreendido

O melhor amigo do cão

Em ILHA DOS CACHORROS, Wes Anderson trata seus personagens de quatro patas com a mesma graça esquisita dos humanos de filmes como “Moonrise Kingdom” e “O Grande Hotel Budapeste” – que, aliás, parecem ter a animação no seu DNA.

A Cavídeo é de maior

Ícone da cultura cinematográfica carioca e uma das produtoras mais ativas do Brasil, a Cavídeo está comemorando 21 anos com uma mostra a partir de amanhã (quinta) no Estação Net Botafogo.

Hannah e o silêncio

Charlotte Rampling pode não suprir o que o roteiro de HANNAH sabota, mas atesta o que uma grande atriz pode fazer a partir do vazio e do silêncio.

Uma casa para o cinema humanista

Divido esse espaço com Léa Maria Aarão Reis, minha colega de Carta Maior, para comentar UMA CASA À BEIRA-MAR, o novo filme de Robert Guédiguian, cronista das relações solidárias.

Lucrar com os mortos

NOS VEMOS NO PARÁISO é uma fábula amoral em que solidariedade e esperteza convivem sem problemas, e os laços de família falam mais alto que a justiça e o ressentimento.