Banksy e a política do grafite

A Sessão Philos desta terça, 16, (21h no Net Rio) vai exibir e debater o documentário BANKSY OCUPA NOVA YORK, de 2014. No ano anterior, o enigmático e genial Banksy (artista individual? Coletivo? Empresa? Organização?) fez uma residência de um mês em NY. A cada dia, uma obra sua aparecia de surpresa em algum ponto…

Compaixão e vingança em ‘slow cinema’

Se fosse dirigir um videoclipe, o diretor filipino Lav Diaz podia escolher “The Devil Gltich”, de Chris Butler, que dura 68 minutos e é considerada a canção pop mais comprida do mundo. Em seus longas, a duração de oito a nove horas não é incomum. A MULHER QUE SE FOI, Leão de Ouro em Veneza…

Viagem pelo experimental argentino

Se você está em São Paulo, esqueça por uns dias Darín, Campanella, Lucrecia e tudo o que compõe uma ideia dominante do cinema argentino atualmente. Mergulhe no cinema experimental de Claudio Caldini, Jorge Honik e Narcisa Hirsch, que estrelam a mostra Cine Sin Limites, iniciada ontem (quinta) no Centro Cultural São Paulo. O trio começou…

Mães e filhos

Sobre ÉDEN e MELHORES AMIGOS – Dos filmes de Bruno Safadi considero ÉDEN o mais bem sucedido. Com uma concisão admirável e uma incrível harmonia de recursos cênicos, ele narra um pequeno conto de maternidade em ambiente de histeria evangélica. Leandra Leal está grávida quando perde o marido vítima de um crime. Seu caminho de…

Atores em estado de vida

Sobre VERMELHO RUSSO e O NOVATO, dois ótimos filmes marcados por atuações muito próximas da vida Com seu jeito descontraído, vagueando entre a encenação ficcional e o improviso documental, VERMELHO RUSSO faz uma ponte interessante entre o Sistema Stanislavski de representação e o hibridismo do cinema contemporâneo. Em ambos os processos, trata-se de aproximar atuação…

O velho e os novos

Sobre os documentários MAIS DO QUE EU POSSA ME RECONHECER e O GRANDE DIA  Depois do belíssimo “Esse Amor que nos Consome”, Allan Ribeiro confirma a sensibilidade para o documentário intimista com MAIS DO QUE EU POSSA ME RECONHECER, que estreou hoje em sessão única diária às 18h10 no Estação Net Rio. O filme é…

Fortaleza anarquista

COM OS PUNHOS CERRADOS (2014) é mais uma travessura dos irmãos Luiz e Ricardo Pretti, junto com o primo Pedro Diógenes. Quando o vi na Semana dos Realizadores de 2014, pareceu-me o primeiro longa-manifesto do neo-anarquismo trendy. Ou o segundo, se incluirmos “Riocorrente”, de Paulo Sacramento, nessa mesma correnteza. Os três diretores-atores fazem um trio de…

É Tudo Verdade: Mexeu com Uma, Mexeu com Todas

O assunto está fervendo no movimento feminista, nos coletivos de arte política, nas manifestações de rua, nos corredores da Globo e – por que não? – no cinema. A Mostra do Filme Livre exibiu o curta O Mais Barulhento Silêncio, de Marccela Moreno, com atrizes performando relatos de mulheres vítimas de estupro. No É Tudo…