Distância focal

Em seu ritmo impassível e minimalista, De Longe te Observo é um estudo de muitas camadas. Um estudo de personagens, antes de mais nada. Armando (Alfredo Castro, de Tony Manero e O Clube), protético maduro e solitário que paga a rapazes para encontros sexuais sem toque nem interação, e Elder (Luis Silva, novato excelente), garoto violento e homofóbico que se vira nas ruas de Caracas, são figuras contrastantes em quase tudo, exceto no abandono paterno que está na origem de suas respectivas carências. O vínculo entre eles é tudo menos romântico. É algo complexo que passa pela relação pai-filho, pela obsessão fetichista, pela gratidão e pela exploração recíproca. Os limites entre cada um desses vetores é coisa difusa que fica para nós discernirmos.

Nas entrelinhas, o filme faz uma observação do estado atual da capital venezuelana, onde a crise econômica e de abastecimento acirra as desigualdades e transforma as ruas num laboratório de gambiarras, contravenções e pequenos crimes. A homofobia também conta como um dado social relevante, tal como acontecia em Pelo Malo, outro recente sucesso do cinema da Venezuela.

Ao mesmo tempo, o longa de estreia na ficção do documentarista Lorenzo Vigas (Leão de Ouro em Veneza, feito inédito para o cinema de seu país) é um estudo das potencialidades do foco da câmera para sintonizar o espectador com a proposta de um filme. O uso recorrente da pequena distância focal dissolve o fundo das cenas e nos obriga a “colar” no personagem que observa ou é observado. Assim, Vigas e o fotógrafo Sergio Armstrong, frequente nos filmes de Pablo Larraín, selecionam o objeto do nosso olhar, fazendo-nos mais que tudo observadores, e ainda enfatizam o isolamento fundamental de Armando.

O filme é riquíssimo em sugestões e surpresas sutis por trás de sua forma modesta e seu estilo seco. A câmera observacional nos coloca tão próximos dos personagens quanto preserva seus enigmas essenciais.

Um comentário sobre “Distância focal

  1. Um filme que prendeu a atenção pelo roteiro bastante criativo e por um final surpreendente. Ótimas atuações do veterano ator Alfredo Castro e da jovem revelação o rapaz Luis Silva e grande estréia do diretor Lorenzo Vigas, que consegue tratar um tema difícil com sutil maestria!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s