Gêneros à japonesa

Dois consagrados cineastas japoneses estão com filmes em cartaz no Brasil. Ambos são “fitas de gênero” (como se dizia antigamente), mas em que se insinuam questões filosóficas e metáforas ao gosto oriental. O melhor deles é O TERCEIRO ASSASSINATO, de Hirokazu Kore-eda, drama criminal tortuoso sobre um assassino que não parece disposto a colaborar com seu advogado de defesa. O jurista duvida da culpa dele e se lança numa investigação por conta própria.

Paralelamente ao processo, desenvolve-se uma discussão sobre a natureza e a utilidade da verdade. O vidro que separa o réu do advogado no parlatório (foto acima) é um signo reiterado da dificuldade em se acessar a tal verdade. Nos reflexos projetados de um sobre o outro fica a ideia de uma (con)fusão de personalidades que, afinal, não se explica muito bem.

Ao mesmo tempo, Kore-eda utiliza como subtema aquilo que costuma ser o seu tema principal, que é a relação entre pais e filhos. Réu, vítima e advogado têm culpas perante suas respectivas filhas, e o jogo de projeções entre eles constitui um elemento a mais na complexidade moral do filme.

Menos interessante e bem mais espalhafatoso é ANTES QUE TUDO DESAPAREÇA, de Kiyoshi Kurosawa, um misto de ficção científica, comédia e ação para adolescentes. Esta é mais uma versão do mote dos invasores de corpos, sendo que a intenção dos alienígenas aqui é hipnotizar os humanos e deles “roubar” conceitos como amor e trabalho. Destituídos desses valores, os humanos tornam-se animais caóticos, e a espécie sofre o risco de extinção. A noção zen-budista de esvaziamento do “eu” seria de grande valia caso o filme se levasse minimamente a sério.

Ao contrário, oscila entre o estapafúrdio e o simplesmente ridículo na busca de conciliar aventura e comicidade clownesca. A inquietação instalada pelas primeiras cenas não resiste às incongruências da história, dos personagens e da ambientação. A cidade ora está em polvorosa com uma iminente invasão, ora está serena como uma cerejeira em flor. As intenções últimas dos invasores acabam perdidas na indefinição. A trilha sonora melosa completa o pacote de gosto discutível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s