A verdade como coisa complexa

O PERDÃO no streaming

A rigidez dos costumes e das práticas judiciárias no Irã fornece ao cinema do país um manancial de temas e injunções aparentemente inesgotável. Daí que os filmes iranianos se esmerem no tratamento de questões ligadas à ética social e pessoal, tais como culpa, mentira, calúnia, transgressão, perdão. Mais um exemplo brilhante disso é O Perdão (Ghasideyeh gave sefid).

O filme se baseia livremente na história real do pai da codiretora e atriz principal, Maryam Moghadam, executado por se opor ao regime, e de sua mulher, que lutou para se defrontar com os juízes que o condenaram. Maryam interpreta Mina, uma operária cujo marido é levado à forca por um crime que ele próprio foi induzido a acreditar que cometeu. Um ano depois, as autoridades concluem que o assassino não era ele, mas uma das testemunhas. Mina, então, quer algo mais que a reparação financeira. Quer olhar nos olhos dos juízes, pois a simples explicação de que tudo é a vontade de Deus não a satisfaz.

Para além do tema judiciário e do questionamento da pena capital, o filme de Maryam e seu marido, Behtash Sanaeeha, usa de sobriedade e síntese para criar o retrato de uma mulher sozinha e suas dificuldades para levar a vida numa sociedade onde o feminino está sempre sob suspeita. Com a filha surda tendo problemas na escola, a família do marido tentando tirar-lhe a guarda da menina e vizinhos condenando suas atitudes, Mina acaba aceitando a ajuda de um homem que se lhe apresenta como um velho amigo do marido. Esse sujeito taciturno e excepcionalmente generoso vai ditar os rumos de mistério e depois suspense do filme – até um desfecho dúbio, escrito provavelmente como forma de amenizar o teor chocante de uma cena que me lembrou a sequência do copo de leite possivelmente envenenado do hitchcockiano Suspeita.

A concessão do perdão, que inspirou o título em países latinos, fica na berlinda em várias instâncias do filme. Mas o título original se traduz como “A Sura da Vaca Branca”, referindo-se a um determinado capítulo do Alcorão. Nele, fala-se do episódio em que os judeus solicitaram a Moisés que rogasse a Deus para que Este lhes revelasse o verdadeiro culpado de um homicídio, e a comunidade pudesse, assim, isentar-se de culpa.

Na saga de Mina, mulher em busca de reparação moral e também de uma nova chance no amor, a verdade se mostra como coisa complexa, que alivia consciências mas também produz dor e crueldade.

Para saber mais sobre o pano de fundo do filme e boas observações quanto a sua construção, sugiro a leitura deste texto de Ivonete Pinto.

>> O Perdão está na plataforma Reserva Imovision.

O trailer:

Um comentário sobre “A verdade como coisa complexa

  1. Pingback: Balanço do meu ano cinematográfico | carmattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s