Imagens negociadas

Instantâneo sombrio da colonização chilena, BRANCO NO BRANCO poderia ser mais perturbador se não fosse tão escravo de seu estilo e de sua lentidão um tanto presunçosa. Filme do Chile no Oscar 2022.

Pílulas das férias (3)

Mais pequenos comentários sobre filmes vistos durante o período de semiférias do blog: BOB CUSPE – NÓS NÃO GOSTAMOS DE GENTE, WHAT DO WE SEE WHEN WE LOOK AT THE SKY, A FILHA PERDIDA e APRESENTANDO OS RICARDOS.

Jovens, talentosos e pretos

SUMMER OF SOUL é empolgante pelo que mostra do Harlem Cultural Festival de 1969. É também emocionante ao trazer de volta alguns artistas e espectadores para relembrar o que foram aqueles seis domingos. O filme é tudo o que se pode ambicionar como resgate de um material daquele nível.

Resistência nas montanhas do Lesoto

A nós, a protagonista de ISSO NÃO É UM ENTERRO, É UMA RESSURREIÇÃO parece um cruzamento das personagens de Sônia Braga em “Aquarius” e “Bacurau”, acrescidas de uma camada de espiritualidade.

Nós, os vivos

SOBRE A ETERNIDADE é mais um filme em que o sueco Roy Andersson resfria as angústias humanas, transformando-as em perplexidade ou em suavíssima comicidade.

Romance no armário

O despojamento só amplia o apelo comovente de SUK SUK – UM AMOR EM SEGREDO, história de dois senhores que se descobrem no outono de suas vidas paralelas.

Shyamalan em sua praia

Em meio a tanta bobagem e exageros de grand guignol, TEMPO (Old) me divertiu moderadamente e me fez imaginar o que essa história renderia nas mãos de um diretor menos trivial.