Bios do Twitter

(Se você gosta de cinema, acompanhe o meu blog)

Tenho o estranho hábito de reparar como as pessoas registram sua biografia no Twitter. O espaço para isso é pouco mais generoso que o de um tweet qualquer: 160 caracteres. Ali cada twitteiro deixa uma pista (ou um despiste) sobre si próprio. Anotei algumas “bios” de brasileiros que me pareceram curiosas:

Tem os engraçadinhos:

@fnazareth  Não se deixem enganar. Sou um leitor.

@FrancisFrenezy Nãoseiusarotwitter-entendeu?

Tem os aparentemente sinceros:

@patricia_caes diretora de arte – mineira – apaixonada por propaganda, pao de queijo e futilidades de grande impacto.

@argolo Preguiçoso, feio, pseudo-intelectual, duro e a pé.

@vidademerda Minha vida é uma merda, mas não dou a minima. Só as melhores desgraças no Twitter. Visite o site para a lista completa.

Os “modestos”:

@alaidenc  Uma única qualquer

@ Cintia_Martins  Simplesmente Cíntia!

Os pensadores:

@caroldeassis  No elevador penso na roça, na roça penso no elevador

@luparhan para bom entendedor, meias palavras; para bom descritor, 140 caracteres…

E os poliglotas:

@gugavalente Chelovek s kino-apparatom e um chopp

@isisnan  평화와 사랑

Minha bio talvez se encaixe nos “sem imaginação”:

@carmattos Crítico de cinema, amante de documentários, viajante apaixonado

Veja também Mais Bios do Twitter e Ainda bios do Twitter

23 comentários sobre “Bios do Twitter

  1. Pingback: Ainda bios do Twitter « …rastros de carmattos

  2. Pingback: Mais bios do Twitter « …rastros de carmattos

  3. Pessoas me sigam lá no twitter : @Naajuuh . Todos que me seguirem me respondem que eu indico e listo 20x ‘ obg 😉

  4. Pingback: Os números de 2010 « …rastros de carmattos

  5. Obrigada pela menção, Carlinhos. Minha bio no twitter é um verso de Drummond de um poema que adoro, ‘Explicação’, em que ele, mineiro vivendo no Rio (como eu), fala de sua condição:

    ‘Estou no cinema vendo fita de Hoot Gibson,
    de repente ouço a voz de uma viola…
    saio desanimado.
    Ah, ser filho de fazendeiro!
    A beira do São Francisco, do Paraíba ou de qualquer córrego vagabundo,
    é sempre a mesma sen-si-bi-li-da-de.
    E a gente viajando na pátria sente saudades da pátria.
    Aquela casa de nove andares comerciais
    é muito interessante.
    A casa colonial da fazenda também era…
    No elevador penso na roça,
    na roça penso no elevador.’

Os comentários estão desativados.