Eu Matei a Minha Mãe

(J’ai Tué ma Mère)

Fic desabafo. O abismo entre mãe e filho é uma fenda que se abre com facilidade. Mas para Hubert Minel, a queda é diária e incontornável. Hubert é gay, o que torna esse abismo ainda mais doloroso. Sua mãe faz “barracos”, come sem elegância, não sabe quem é Pollock, tem amigas peruas e um gosto cafona. Hubert poderia matá-la, se conseguisse odiá-la. O tema difícil é tratado como um desabafo semi-autobiográfico pelo diretor-roteirista-ator Xavier Doland, 19 anos quando filmou. Não com a virulência de Tarnation, aquele doc definitivo sobre assunto parecido, mas com a agressividade de quem precisa exorcisar um mau sentimento. A história dessa convivência difícil, similar à de uma crise conjugal, é atravessada por uma visão caricata dos adultos e as fantasias de Hubert, que têm valor de crítica cultural do mundo brega québequoise. Embora caia na tentação de alguns enquadramentos vaidosos, Doland é um jovem diretor surpreendentemente parcimonioso no uso da imagem e sugestivo na criação de atmosferas. Uma boa promessa, se este não for apenas um acerto de contas pessoal. ♦♦♦

Site do filme 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s