Ensaios sobre a cegueira

Para começo de conversa, cabe dizer que a imagem do deficiente visual no cinema costuma ser deficiente. Existe uma dificuldade básica em caracterizar o personagem cego nos parâmetros do drama, embora a comédia dramática possa ter picos como Luzes da Cidade e Perfume de Mulher (o italiano e o americano). E quando os filmes se propõem representar a própria deficiência visual através de imagens, aí não há efeito ótico que dê conta.

Estão em cartaz dois filmes com esse tema: o brasileiro Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos e o japonês Esplendor. No primeiro, um pizzaiolo cego (Edson Celulari, coprodutor do longa) é instado pela mulher (Soledad Villamil, de O Segredo dos Seus Olhos) a fazer uma operação para recuperar a visão. O resultado, muito parcial e precário, o leva a arrepender-se e a descobrir que a vida era bem melhor na escuridão. No segundo, um fotógrafo está perdendo rapidamente a capacidade de enxergar e vê sua vida se desmoronar. Mas aqui a personagem central não é ele, e sim uma redatora de audiodescrições para filmes que, fascinada pelo seu ofício, toma-se de interesse pelo moço.

A visão indesejada

Teu Mundo Não Cabe nos Meus Olhos, dirigido pelo gaúcho Paulo Nascimento e ambientado no Bexiga paulista, veicula o estereótipo do cego feliz, entusiasmado com tudo o que ouve e sente (no que Celulari não poupa exageros de expressão). A tentativa de combinar melodrama e comédia, consternação e alto astral, resulta desajeitada, com diálogos cheios de pausas medidas, música soporífera e direção careta.

O argumento não escapa do clichê da norma invertida: o cego rejeita a visão, que lhe trará mais frustrações que felicidade. A diferença entre ver e sentir é reiterada diversas vezes pela máxima de que “sentir é ver por dentro”. Para o nosso pizzaiolo, talvez a descrição que o amigo garçom lhe faz das mulheres seja melhor do que a verdade visível. E por aí ficamos com um rascunho de parábola sobre os benefícios da privação.

A difícil tradução

Naomi Kawase também incorre em chavões do gênero no seu Esplendor. O fotógrafo afirma que vê melhor quando não olha para as coisas com seu resquício de apreensão visual. A redatora de audiodescrição, por sua vez, considera que “o fotógrafo é um caçador cuja presa é o tempo”. E por aí vamos com as obviedades de praxe. Mas Naomi enxerga mais longe ao abrir seu leque para uma reflexão poética mais ampla sobre o desaparecimento das coisas.

Se o mundo está perdendo a forma aparente para o fotógrafo, para a moça é a família que vai perdendo os contornos. O pai desapareceu há muito, a mãe está se afastando na nuvem do Alzheimer. Habituada a descrever o que vê e por onde passa, ela procura no seu ofício uma maneira de reter a aparência – quiçá a essência – das coisas. Nisso ela tem um desafio perante os cegos com quem pratica a técnica da audiodescrição. Precisa encontrar o ponto justo entre a sugestão eficaz do que se passa na tela e a restrição necessária para que a audiência possa exercitar sua própria imaginação. O fotógrafo está entre eles, e é um dos mais críticos ao trabalho dela. Daí nasce um vínculo ao mesmo tempo de afeto e objeto.

Pela via das metáforas, Esplendor acaba insinuando um pensamento sobre a complexa relação entre imagens e palavras. Sobre a difícil tradução de umas pelas outras. Afinal, que descrição seria capaz de transmitir as inefáveis potências da imagem, seus enquadramentos, suas intensidades de luz e de volume, suas afecções indescritíveis? No fundo do seu draminha meio açucarado, Naomi Kawase semeia essas ideias um pouco mais sofisticadas, enquanto acaricia o espectador com sua delicadeza audiovisual, seus filtros e suas epifanias de luz.

Bem, ambos os filmes caem na esparrela de delinear o ponto de vista do quase cego. São as imagens desfocadas ou deformadas de sempre. Mais uma vez, o intraduzível.

P.S. Está em cartaz, ainda, a pífia comédia alemã De Encontro com a Vida, história (supostamente real mas completamente inverossímil) de um rapaz que consegue dissimular sua grave deficiência visual como garçom de um grande hotel. Além de fazer piadas com a cegueira, o filme de Marc Rothemund ainda rasteja na fórmula cansada da meritocracia e da busca do “sonho” profissional.

 

2 comentários sobre “Ensaios sobre a cegueira

  1. Oi Carlos, não vi nenhum dos filmes, mas o filme japonês me parece bem interessante em sua abordagem. A questão da transposição das imagens para palavras (se isso é possível) e a relação entre essas duas linguagens. Certa vez, o grande Shohei Imamura quando perguntado sobre o que era A Balada De Narayama respondeu que se pudesse dizer em palavras, não teria feito o filme. É claro que foi radical e se refere a outras instâncias também do que a mera transposição de imagens em palavras.
    Me lembro de um dos melhores filmes que vi sobre a cegueira que é o Janela da Alma, do Walter Carvalho. Não vejo problema em querer representar a cegueira, cinema é representação. Creio que Meirelles e Charlone fizeram um trabalho imagético bem interessante na adaptação do livro de Saramago cujo título você parodia no seu texto. Um abraço

    • Querido Roberto, certamente a representação tem todas as suas licenças, mas também suas limitações. No caso presente, eu quis ressaltar o déficit irremediável que fica entre representação da cegueira e experiência da cegueira. Assim como a relativa impossibilidade de “representar” imagens por palavras, que é o tema do filme. No caso do filme do Meirelles/Saramago, não me lembro que haja uma representação direta da deficiência visual. Abração

Deixe uma resposta para Roberto Gervitz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s