Roma, Chile

SANTIAGO, ITÁLIA

Nanni Moretti: “Eu não sou imparcial”

Há um momento simples e luminoso em SANTIAGO, ITÁLIA, do tipo do qual todo documentarista deveria se orgulhar. É quando Nanni Moretti entrevista o general Eduardo Iturriaga na prisão onde se encontra há dez anos. O militar, um dos mais destacados comandantes da ditadura chilena, tenta se defender e é encurralado pelo cineasta com uma pergunta sobre perdão. Reage dizendo que só aceitou dar a entrevista porque pensava que seu interlocutor seria “imparcial”. Moretti entra no quadro junto com ele e afirma: “Eu não sou imparcial”.

Para o espectador, Moretti não precisava ser tão assertivo. Seu filme, como não poderia deixar de ser, está em clara sintonia com os militantes que lutaram contra Pinochet e se safaram da repressão refugiando-se na embaixada italiana em Santiago. Mas o gesto firme diante do “inimigo” e da câmera se fazia necessário para demarcar uma atitude nobre do documentário, que é o de tomar partido, independente de ouvir e questionar as razões do outro. Ali é como se Moretti dissesse: “Não, Sr. Iturriaga, não estou fazendo jornalismo supostamente neutro”.

A Itália não ficou neutra durante a ditadura de Pinochet. As duras lições do fascismo, ainda um tanto recentes no início dos anos 1970, contribuíram para gerar um grande movimento de solidariedade à esquerda chilena, que sofria um processo de extermínio pela Junta Militar. Na Europa Ocidental, a Itália foi o único país a não reconhecer o governo de Pinochet. A embaixada em Santiago (foto abaixo), com seu muro relativamente baixo, foi o último abrigo para os perseguidos pela DINA, a polícia política chilena.

Moretti fez um documentário despojado, que se baseia em cabeças falantes e poucos materiais de arquivo, dividido em blocos estanques. Ex-militantes, diplomatas e jornalistas relatam, sucessivamente, suas memórias sobre o encantamento do período da Unidade Popular, a conspiração da direita e da mídia contra Allende (com a comprovada participação dos EUA), o dia do golpe, as prisões e torturas, o refúgio e a vida nas dependências da embaixada, a saída de vários deles com um salvo-conduto para a Itália e a vida no exílio que acabou se transformando em sua segunda pátria.

Um dado curioso é que essa segunda vida os afastou do ativismo direto, atirando-os em circunstâncias imprevistas que mudaram seus rumos para sempre. O Chile, para alguns, tornou-se um ponto distante no mapa, quando não uma terra madrasta.

Mui italianamente, o aspecto emocional termina por se sobrepor a uma análise mais contextualizada. A gratidão dos exilados pinta um quadro róseo de uma Itália acolhedora, que lhes deu sobrevida, emprego e família. O país, contudo, pegava fogo nos chamados Anos de Chumbo, com uma sangrenta disputa armada entre a direita e a esquerda, assassinatos e ataques terroristas de parte a parte.

Moretti não insere essa Itália em seu arrazoado, pois deixa que os personagens a descrevam pelo olhar deles. Mas ao final, como um deus ex-machina, surge um derradeiro personagem para fazer um comentário sobre a Itália atual, semelhante ao que de pior teria o Chile. Soa como um porta-voz do diretor. Moretti, então, parece estar insinuando um subtítulo para seu filme: Roma, Chile.

Para mais informações sobre o filme e sobre brasileiros que se refugiaram em embaixadas estrangeiras no Chile, leia este artigo de Léa Maria Aarão Reis na Carta Maior.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s