Mariana Ano Zero

QUANDO A TERRA TREME

Foto: Lucas de Godoy

No ano passado, a televisão exibiu o média-metragem Vozes de Paracatu e Bento, de Walter Salles (assista aqui). Era um registro comovente das lembranças e da sobrevivência dos atingidos pelo rompimento da barragem da Samarco nos municípios mineiros de Paracatu de Baixo e Bento Rodrigues, em 2015. Salles dava nome, rosto e voz a homens e mulheres que usualmente ficavam resumidos a números de estatística. Recolhia também suas imagens de antes da catástrofe, num contraponto capaz de dimensionar suas perdas.

Exatos quatro anos depois da tragédia, na última terça-feira, 5 de novembro, o Canal Brasil mostrou outro olhar do diretor sobre o mesmo tema. Com 26 minutos de duração, QUANDO A TERRA TREME combina documento e ficção no cenário ainda devastado em 2017. Maeve Jinkings, caprichando no sotaque mineiro, vive uma professora que perdeu o marido, a casa e todos os bens, além de ter a escola onde trabalhava arrasada pela lama. O filho, contudo, não desiste de procurar e esperar pelo pai, que crê apenas desaparecido.

O filme ecoa temas caros a Walter Salles, como a procura do pai e as relações familiares em situações de crise. Numa cena, o menino leva comida para o pai, caso ele apareça pela beira do rio. Com isso, Salles parece também acenar com uma homenagem a Nelson Pereira dos Santos e seu “A Terceira Margem do Rio”. Tampouco descarto um paralelo com a situação cinematográfica de Alemanha Ano Zero, que Rossellini filmou na Berlim destruída pela II Guerra.

Boa parte das sequências se passam num centro de acolhimento de abrigados, com uma costura bem cerzida entre realidade e encenação, fotografias do pós-desastre e ações na locação. Enquanto o média anterior começava com as imagens e sons impactantes do tsunami de lama avançando em direção ao cinegrafista amador, este se inicia com o reflexo ficcional da família da professora que foge desesperada ante a aproximação da torrente.

Os dois filmes se complementam a tal ponto que bem cabia montá-los juntos com vistas a um longa-metragem híbrido. QUANDO A TERRA TREME integra o longa Em que Tempo Vivemos?, produção do chinês Jia Zhang-ke com episódios dos cinco países dos BRICS. Este ano, a Mostra de São Paulo trouxe mais um projeto de Zhang-ke com os BRICS: o fraquinho Vizinhos, cujo representante brasileiro foi dirigido por Beatriz Seigner.

Um comentário sobre “Mariana Ano Zero

  1. Obrigada, querido. Me programei pra ir ontem la mas meu pai ficou doente e estava aqui em casa e não deu. Quero comprar o livro e combinamos o autógrafo. Bjs

    >

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s