Compañeros infiltrados

WASP NETWORK: REDE ESPIÕES na Netflix

Podia ter saído de um livro de John Le Carré, como notou o crítico do The New York Times, mas Wasp Network: Rede de Espiões é inspirado no romance-reportagem de Fernando Morais, Os Últimos Soldados da Guerra Fria. Você vai precisar de uma bússola e uma planilha do Excel para acompanhar as mudanças de época e de país nessa trama de espionagem rocambolesca.

O primeiro ato é uma rota de fuga direta entre dois pontos. Os pilotos René (Edgar Ramirez) e Roque (Wagner Moura) são vistos escapando de Cuba em direção a Miami. Vão se juntar aos grupos anticastristas que proliferavam na Flórida nos anos 1990, a exemplo do que fizeram tantos gusanos (como os cubanos chamam os “vermes” que desertaram da Revolução). Nos atos seguintes, outros personagens vão aparecer, como mercenários recrutados em Honduras e El Salvador para atividades de sabotagem e terrorismo contra o turismo e a economia cubanas.

Com mais de uma hora de filme, recua-se quatro anos no tempo para receber Gael García Bernal no papel de Manuel Viramontez, encarregado de chefiar a Rede Vespa (Wasp Network) para espionar os anticastristas de Miami. É só então que vamos conhecer as reais intenções de René e Roque em seu exílio estadunidense. René com o suposto propósito de ajudar os balseros que fugiam de Cuba; Roque com desígnios mais tortuosos para manter sua figura de galã jamesbondiano versão latina.

Descontados os inevitáveis toques de fantasia, tudo o mais é baseado em ocorrências e personagens reais levantados por Fernando Morais. Há mesmo uma aparição documental de Fidel Castro em depoimento sobre as ações de contra-espionagem levadas a cabo na Flórida. Ataques a praias e hotéis turísticos de Cuba são dramatizados, assim como encontros mafiosos dos militantes empenhados em “libertar” Cuba do comunismo.

Wasp Network minimiza o teor político da trama para valorizar os aspectos mais espetaculares, incluindo escutas telefônicas, batidas do FBI e caçadas aéreas dignas de um Top Gun. No letreiro inicial, o filme cita o objetivo dos dissidentes de “libertar” Cuba, assim editorializando uma perspectiva anticastrista que a ação do filme, afinal, não chega a ratificar. Olivier Assayas aposta num terreno de ambiguidade política para melhor realçar as feições do thriller aventuresco.

É interessante notar que, em filme tão másculo e movimentado, o que mais satisfaz são as histórias íntimas de Roque e sua mulher (Ana de Armas) e, em especial, de René e sua família. Privadas do conhecimento sobre as verdadeiras atividades de seus maridos, as esposas formam o elo mais dramático do enredo. Num elenco em ótima forma, Penélope Cruz está particularmente impecável como a mulher de René, que sofre com as duas filhas a fragmentação do grupo familiar por conta da abnegação do marido em prol de sua causa.

Vale ainda destacar o entusiasmo com que Wagner Moura e a gatíssima Ana de Armas fizeram par romântico em Sérgio e agora nesse filme. É um entrosamento que dá o que falar.

5 comentários sobre “Compañeros infiltrados

  1. Concordo com a sua crítica, Carlos. Logo no dia da estreia assisti à Wasp Network. Tinha muito curiosidade em relação a este filme que é uma produção bastante cara com cenas de ação em terra, céu e mar e elenco latino com grandes nomes. A direção de Assayas é talentosa, principalmente, ao retirar dos atores excelentes atuações, com destaque para a Penélope Cruz que faz um trabalho brilhante, inclusive com um perfeito sotaque cubano. Assisti ao filme com grande interesse até um certo ponto, quando senti que tudo o que o filme plantou não se resolvia a contento, pelo contrário, decepcionava. O maior exemplo se dá com o personagem Wagner Moura e sua recente esposa, Ana de Armas (lindíssima).

    A partir de um ótimo início, com a fuga do personagem de Edgar Ramirez, sua chegada em Miami, o desconcerto e a raiva de sua mulher, Penélope Cruz e o sofrimento de sua filha e familiares, o filme agarra emocionalmente o espectador e o coloca dentro da história que é porém interrompida pela “fuga” de Wagner Moura que inicia uma outra narrativa, à qual o filme dedica longo tempo.

    A tentativa de quebrar a trajetória linear com flashbacks por vezes desnecessários e a trajetória dos diferentes personagens com diferentes graus de interesse, acabou contribuindo para uma sensação de barriga e de uma história mal contada.

    O roteirista (o próprio Assayas) se perdeu em fatos e personagens o que custou-lhe não desenvolver melhor o núcleo dramático do filme: o casal Edgar Ramirez e Penélope Cruz. Há uma coisa que Gabriel Garcia Márquez comentou em uma oficina de roteiros à qual tive o privilégio de fazer: se você tirar uma coisa de um roteiro/filme e não fizer diferença para a história que está contando, ela deve ir diretamente para o lixo – um grande filme/livro, a gente também conhece pelas coisas boas que ficaram de fora. Apesar da ótima atuação e da beleza do casal, a história entre Wagner Moura e Ana de Armas parece puro artifício, não transcende, e a relação do personagem de Wagner com o protagonista é fraquíssima como também é o arco do seu personagem que só contribui para enfraquecer o plot principal. Em um thriller, isso é um pecado que custa caro. O roteiro está longe da grandeza dessa história.

    • Também concordo com você, Roberto. A farsa do Roque com Ana é muito mal contada, apesar do charme do casal. A gente nem compreende bem que Ana era uma anticastrista fervorosa, daí seu desmoronamento no final.

  2. Não gostei do filme. Ele se perde do meio para o final. Concordo com Carlos Alberto de Mattos: é preciso uma planilha para acompanhar toda a história. Fiquei torcendo para ver minha querida Havana, mas ela quase não aparece. Não conheço, mas detesto Miami.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s