Julieta e Janis

JULIETA é bom de ver, mas não de gostar. É bom de ver porque Almodóvar dirige da maneira sedosa como faz desde “Carne Trêmula” – uma câmera elegante ao som de música envolvente e diálogos em eshshpanhol sussurrado. É bom de ver porque as atrizes estão sempre muito bem vestidas e maquiadas, e dão um jeito de ficar sempre diante de um quadro, uma parede pintada ou um fundo decorado, de maneira a quase sugerir um editorial de moda. É bom de ver porque a gente reconhece signos que nos reconectam afetivamente com o universo alomodovariano: dramas da maternidade, romances assombrados pela culpa, a expectativa de um “volver” redentor, mulheres sofredoras (aqui temos três com doenças terminais!). É bom de ver porque, afinal, é Almodóvar.

Mas não é bom de gostar porque há tempos Almodóvar perdeu o seu dom maior, que era o de alcançar o patético dos personagens dramáticos e colocar o espectador equidistante entre a comédia e a catástrofe. De uns tempos para cá, ele só faz as coisas separadamente: ou o escracho, como no insuportável “Os Amantes Passageiros”, ou as pompas melodramáticas, como em JULIETA. A história da mãe sufocada por sucessivas perdas e culpas, que tenta superar o afastamento inexplicável da filha por 12 longos anos, poderia render mais um belo Almodóvar se não soasse apenas carrancuda e choraminguenta. JULIETA não é bom de gostar porque as coisas vão ficando incontornavelmente bregas, das referências ao mar como símbolo de aventura e descoberta até os acidentes que mudam o destino dos personagens. Pense numa matrioska russa onde cada bonequinha retirada é mais uma imagem de sofrimento. Não é bom de gostar, mas, repito, é bom de ver.



Janis-Joplin-mirante-joa

Janis Joplin tinha uma metáfora para sua própria vida: a mula que seguia sempre em frente tentando inutilmente alcançar a cenoura pendurada diante de seu rosto. A mula era ela, e a cenoura eram o amor, a companhia dos amigos, a música, as drogas, a experiência plena da vida, o sucesso. A bem da verdade, ela alcançou tudo isso, mas a um preço alto demais. O documentário JANIS – LITTLE GIRL BLUE desenha o perfil de uma sofredora, vítima de bullying na adolescência texana e do descaso dos amantes na idade adulta. É o tipo de cinebiografia marcada pelo fatalismo de uma personagem que viveu infeliz e morreu jovem. O hedonismo e a libido bissexual de Janis, assim como a idolatria de que foi objeto, ficam em segundo plano.

A documentarista Amy J. Berg (“Deliver us from Evil”) é especialista em filmes investigativos sobre abusos jurídicos, religiosos e sexuais. Janis talvez seja vista, assim, como um caso de autoabuso por drogas, álcool e autodestruição. O filme, produzido para a série de TV American Masters, segue o figurino convencional de depoimentos, filmes caseiros, entrevistas de TV, trechos de shows e cartas de Janis a sua família, lidas pela cantora Cat Power, também de vida desregrada e canções confessionais. Entre as passagens mais curiosas estão os ensaios de “Summertime” filmados por D. A. Pennebaker e as histórias da estada de Janis no Brasil em 1970 (na foto, ela na Pedra do Sapo, no Joá). Apesar do valor altamente informativo e da imagem sempre envolvente e intrigante da estrela, não há como negar que o filme se alonga e se torna um pouco repetitivo. Um espelho no qual Janis Joplin não gostaria de se ver.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s