A verdade sobre a tortura

Jorge Muller, assistente chileno, no papel de um torturado

O Canal Brasil vai fazer hoje (segunda), à meia-noite e quinze, a primeira exibição pública no país de um documento histórico de enorme importância e um filme de impacto: Brasil – Um Relato de Tortura (Brazil – A Report on Torture). É a primeira numa faixa de exibições especiais que caberá a mim apresentar na grade do canal.Em 1971, os cineastas americanos Haskell Wexler e Saul Landau estavam em Santiago do Chile aguardando a oportunidade de uma entrevista com o presidente Salvador Allende. Foi quando souberam da chegada do chamado Grupo dos 70, os presos políticos brasileiros trocados pelo embaixador suíço  Giovanni Enrico Bucher, no que seria o último sequestro político do regime militar. Haskell e Saul foram até eles e os convenceram a contar para a TV americana o que haviam sofrido nas prisões brasileiras.

Haskel Wexler é um dos maiores diretores de fotografia do cinema americano, responsável pelas imagens de filmes como Crown, o Magnífico (o primeiro), Um Estranho no Ninho e Amargo Regresso. Dirigiu também diversos docs sobre questões políticas e sociais, entre eles o clássico Medium Cool (1969). Saul Landau é um documentarista, jornalista e escritor igualmente engajado na causa dos direitos humanos. Naquela ocasião, eles queriam divulgar internacionalmente o que se passava nos porões da ditadura brasilera.

Em 60 densos minutos, o filme registra o relato das torturas pelas próprias vítimas e a encenação de procedimentos como o pau-de-arara, as sessões de choques elétricos, os afogamentos e outros tipos de suplício físico e psicológico.  Há mesmo quem mencione explicitamente os nomes de quem os torturava.

Maria Auxiliadora

Entre os personagens, alguns não suportariam os anos subsequentes. Frei Tito, por exemplo, suicidou-se na França três anos depois. Maria Auxiliadora Lara Barcelos, que tem extensa participação no filme e foi amiga muito próxima da presidente Dilma Rousseff nos anos de ativismo na organização VAR Palmares, atirou-se debaixo de um trem do metrô em Berlim, em 1976.

O rapaz que aparece diversas vezes no papel do torturado era Jorge Muller, um assistente chileno da equipe de filmagem. Ele não sabia que estava vivendo uma trágica antecipação de seu próprio destino. Dois anos depois, com o golpe de Pinochet no Chile, ele passou à clandestinidade, acabou preso, torturado e entrou para o rol dos desaparecidos.

Numa entrevista recente, Saul Landau afirmou que, enquanto montava o filme, percebeu que aquilo não era uma história de tortura, mas uma história de coragem.

Antes do filme eu vou fazer uma rápida introdução e uma pequerna entrevista com o cineasta e diplomata Jom Tob Azulay, que ajudou a difundir o filme nos Estados Unidos e no Brasil. Ele era cônsul adjunto do Brasil em Los Angeles em 1971, quando soube da existência do filme, obteve uma cópia com os próprios realizadores e costumava fazer sessões clandestinas, especialmente para brasileiros ilustres que passavam por L.A. Mais tarde, sentindo-se pressionado, Azulay afastou-se do Itamaraty. No ano passado, usou o filme no seu processo de readmissão, afinal vitorioso. Atualmente, junto com Cavi Borges, ele produz Setenta, um novo documentário de Emilia Silveira e Sandra Moreira sobre os destinos daqueles mesmos ativistas brasileiros.

Brasil – Um Relato de Tortura tem sido exibido em sessões restritas no âmbito das caravanas da anistia. Em tempos de Comissão da Verdade, é fundamental que se amplie o alcance desse registro sem paralelo em termos de dramaticidade e evidenciamento dos horrores cometidos pela ditadura.

Veja aqui um depoimento de Wexler e Landau sobre as circunstâncias em que o filme foi realizado (sem legendas).

13 comentários sobre “A verdade sobre a tortura

  1. Pingback: Pelo fim da tortura « Jurisprudencias

  2. Pingback: No balanço do blog « …rastros de carmattos

  3. Pingback: “BRASIL: UM RELATO DE TORTURA” no IMS - Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro

  4. TORTURA? ISSO ERA COM A SANTA INQUISIÇÃO , MAIS CALMA ! ERA SÓ EM NOME DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO , QUANTOS ? 27 MIL,HEREJES AQUELES QUE NÃO QUERIA ACREDITAR EM JESUS ,os paìses católicos nos ensinaram essa pratica. brasil,argentina,uruguay,chile, tiraram nota 100.

  5. Carlinhos,

    As reconstituições das torturas pelas vítimas é algo impressionante, que sensibiliza os próprios realizadores, que parecem constrangidos com a “naturalidade” com que os brasileiros relembram em detalhes os horrores dos porões militares e civis.
    Entrevista muito boa. Tom Jobim e “Aquarela do Brasil” depois da sessão de torturas: fico imaginando a cena em Los Angeles.

    Curiosidade: aquela Mangabeira Unger é parente do ex-ministro?

    Abraços

  6. Infelizmente não tenho acesso ao Canal Brasil. Vc tem informações sobre outras exibições do filme?

    • Eu sei que ele existe aos pedaços na internet. Talvez seja o caso de pesquisar no Google pelo título original: “Brazil – a Report on Torture”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s