Alemanha ano 2017

Sobre os dramas EM PEDAÇOS e WESTERN

O luto de uma mulher levado às últimas consequências. Este é o plot central de EM PEDAÇOS, o novo filme de Fatih Akin (Contra a Parede, Do Outro Lado), que venceu o Globo de Ouro de filme estrangeiro e deu a Diane Kruger um justificável prêmio de melhor atriz em Cannes. Com precisão milimétrica, Diane vive uma alemã casada com um ex-traficante turco que se reabilita depois de passar pela cadeia. Uma explosão terrorista no bairro turco de Hamburgo mata seu marido e o filho, deixando-a devastada. Sua suspeita de que os responsáveis foram neonazistas acaba se confirmando, e o caso vai a tribunal.

Muitos críticos estrangeiros apontaram esquematismo e maniqueísmo na forma como Akin pinta os preconceitos e a tipologia dos personagens. Esse não é um diretor que prime mesmo pela sutileza. Mas os seus temas talvez não requeiram mão leve e punhos de seda. O neonazismo está ativo na Alemanha e tem braços internacionais. A sociedade europeia talvez ainda hesite em tratá-lo como a ameaça que representa.

Por tratar-se da morte de um imigrante envolvido com o tráfico no passado e da dor de uma viúva que consome drogas, as vítimas tendem a ser encaradas como réus, como estamos cansados de ver por aí. Só podiam “estar metidos em alguma”… Katja passa pelos rituais e manipulações do tribunal – que ocupam boa parte da metragem – e acabará compreendendo que a justiça só virá de suas próprias mãos. Resta saber se ela se comportará como a justiceira catártica que uma plateia comum esperaria.

Nem tudo funciona a contento no mecanismo dramático detonado por Fatih Akin. As etapas do luto de Katja são marcadas com ênfase exacerbada. Os envolvidos com o crime e sua defesa carregam as máscaras da maldade no rosto, numa espécie de acusação determinista. Parte do módulo da vingança na Grécia tem ações pouco plausíveis. Ainda assim, EM PEDAÇOS é um filme forte e duro como deve ser.



WESTERN é uma coprodução entre Bulgária, Alemanha e Áustria. Sua trama (ou quase ausência de uma) é informada pelo histórico de relações entre esses três países, que foram aliados nas duas guerras mundiais. Daí várias referências de admiração e desconfiança no contato de um grupo de operários alemães com os moradores de um vilarejo búlgaro onde chegam para iniciar a construção de uma usina hidrelétrica.

O título do filme ressoa vagamente na figura do protagonista, o caladão Meinhard, que se afasta dos colegas para estabelecer relações de amizade e trabalho com os aldeões locais. Seu vínculo com um cavalo o caracteriza como um cavaleiro solitário na semântica do faroeste. A expectativa do duelo também ronda Meinhard com relação a diversos personagens, embora seja sucessivamente desfeita pela abstenção ou a conciliação.

Numa estranha simbiose, o clima de hostilidade convive com uma crescente fraternidade entre os alemães rudes e os búlgaros pacatos, refletindo talvez sentimentos nacionais arraigados. Isso se dá em frequentes diálogos bilíngues, nos quais o entendimento é alcançado por gestos e identificação de sentimentos em lugar de palavras. Quase todo o elenco é de atores não profissionais, recrutados num longo trabalho de casting pela diretora alemã Valeska Grisebach.

Este é o segundo longa-metragem (depois de Seensucht) em que Valeska retrata um mundo eminentemente masculino. Isso sem contar sua contribuição para o roteiro de Toni Erdmann, cuja diretora Maren Ade atua como produtora de WESTERN. É uma forma que eu diria cautelosa de entrar no cipoal de rivalidades, emoções reprimidas e condutas obscuras de um grupo de homens, alguns deslocados em terra estranha, outros plantados em sua remota bolha de civilização.

É também uma forma bastante vaga e rarefeita de mostrar esse encontro. A falta de continuidade das sequências e um laconismo quase permanente produzem uma sensação de distanciamento e mesmo de perplexidade. Havia momentos em que eu me sentia um alemão diante de um filme que falava búlgaro, se é que me faço entender nesse português metafórico. WESTERN talvez seja uma parábola da Europa atual, mas uma cifrada em demasia.

2 comentários sobre “Alemanha ano 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s