Insustentável leveza

Eu temia que Coração Vagabundo acabasse conhecido como apenas o filme em que  Caetano Veloso mostra uma nesga do pênis. Se dependesse do marketing de Paula Lavigne, seria isso mesmo. Mas, felizmente, o doc de Fernando Grostein Andrade chega às telas com uma definição mais adequada: é um simpático e despretensioso retrato de Caetano em relativa intimidade, coracaofazendo piadas consigo mesmo, caminhando ao léu no estrangeiro, comentando generalidades culturais com a verve de sempre.

De qualquer forma, é um exagero alçá-lo à esfera dos melhores docs musicais brasileiros do momento. Quando do É Tudo Verdade de 2008, Juliano Gomes falou bem no DocBlog sobre as virtudes e limites do filme (leia aqui). A insustentável leveza de Coração Vagabundo dá a impressão de uma viagem fragmentada demais, excessivamente deslumbrada com os lugares por onde passa. Vale a pena, sim, assisti-lo no cinema, mas melhor ainda é vê-lo em casa, numa tarde vadia, com uma xícara de chá verde na mão e pantufas nos pés.

2 comentários sobre “Insustentável leveza

  1. Carlinhos, você viu o filme agora ou no É Tudo Verdade? A versão que está nos cinemas é diferente, e quem viu os dois garante que é bem melhor.

    abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s