Moleques de mola

Foto: João Xavi

Chega enfim aos cinemas o delicioso A Batalha do Passinho. Emilio Domingos não precisou lançar mão de nenhuma fórmula de sucesso ou truque de narrativa para mostrar como um documentário pode sondar o imaginário de uma comunidade enquanto parece apenas ver e ouvir despreocupadamente os personagens. Ao redor da dança do passinho, fenômeno popular nos últimos anos, é todo um estilo de vida que se desvela nas palavras desses moleques de mola: a vaidade um tanto inocente, a afetividade transbordante, a linguagem peculiar, as ambições de bons moços. Nessa etnografia casual, estamos muito distante das imagens fatalistas da favela e da periferia. O que vemos é uma juventude conectada fraternalmente e concentrada em suas aspirações.

Talvez por isso destoe um pouco o tratamento que recebe a morte obscura de um personagem ali pelo fim do filme. A interferência da bruta realidade catalisa um certo excesso de homenagens e algumas falas proselitistas, especialmente do escritor Julio Ludemir, um dos criadores da “batalha”.* As participações de Julio Ludemir e Rafael Nike, criadores da “batalha”, soam menos orgânicas que as da comentadora principal, Leandra Perfects, mediadora da comunidade virtual Passinho Foda.

O funk dita o ritmo para a edição do filme, evidenciando o quanto de surpresa, teatro, pantomima e sátira de comportamento existe no passinho. Além disso, há ali um testemunho precioso sobre as formas de criação e circulação da arte popular na era da internet. São muitas, enfim, as razões por que este é um filme não só contagiante e divertido, mas também fundamental para entendermos as dinâmicas da cidade contemporânea. 

A dança é talvez a forma mais vital de expressão artística e sem dúvida uma das mais democráticas. É a voz do corpo gritando o que nem sempre a voz da garganta é capaz de exprimir. A dança conclama o corpo a uma forma clara de estar no mundo e a uma atitude muito eloquente perante a realidade. Dançar é uma forma suprema de dizer. Tudo isso está patente em A Batalha do Passinho.

* A principal fala a que me referia, com base em corte anterior, foi eliminada na versão do filme que está nos cinemas. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s