Pílulas 40

EU, ANNA é um policial com tinturas de história de amor na maturidade. Seus maiores trunfos são a elegância de Charlotte Rampling e Gabriel Byrne, além de uma direção discreta que serve à história. Mas a trama é mais corriqueira do que soa a princípio e não nega a origem num best-seller de rotina. Um crime, alguns suspeitos, uma mulher misteriosa e um detetive que se deixa confundir entre a investigação e o interesse amoroso. A gente já viu muito disso, e as canções da trilha eram melhores.

RUSH é um belo espetáculo americano. Lida com performances, velocidade, competição. O apolíneo Niki Lauda e o dionisíaco James Hunt se enfrentam numa disputa não só de postos na Fórmula 1 durante o ano de 1976, mas também de egos, afetos e modos de vida. Às vezes a gente se sente meio infantilizado pela forma explícita e didática com que essa polarização é apresentada no roteiro de Peter Morgan. Há ali todo um cabedal de eficiência na comunicação de personalidades esquemáticas para qualquer público entender – incluindo as viradinhas que matizam temporariamente cada um dos lados para melhor reforçar a dualidade dominante. Os dois atores personificam à perfeição esse embate entre a ordem austríaca e o hedonismo britânico. A produção das cenas de corrida é impressionante, com uma quase indistinguível combinação de reencenações, material de arquivo e criações digitais. O desenho sonoro também é de cair o queixo. Certamente RUSH é a contraparte perfeita para o doc SENNA, que também fez muito sucesso mundo afora.

Visto no Festival do Rio: Ao contrário da Trilogia Qatsi e do média “Anima Mundi”, parcerias anteriores entre Godfrey Reggio e Philip Glass, não é muito fácil definir do que trata VISITANTES. Depois de um prólogo reminiscente do 2001 kubrickiano (um gorila encara a câmera, um travelling na superfície da Lua e o corte para um velho arranha-céu), somos confrontados com uma longa série de rostos que nos fitam em silêncio. De várias idades e etnias. A princípio, rostos impassíveis como o do gorila; mais adiante, rostos que alternam expressões do riso ao estupor. Aqui e ali, imagens de ruína apocalíptica: galpões e parque de diversões abandonados, floresta inundada, edifícios depauperados. Apesar de uma ou outra alusão à tecnologia, o que fica mais evidente é o valor do olhar, da expressão facial, da comunicação virtual que pode se estabelecer entre quem olha a câmera (ou algo no lugar dela) e quem olha a tela. Não por acaso, a última imagem é de uma plateia de cinema que nos duplica. Somos visitantes no planeta como no cinema. Efemeridade e ruína são o destino de tudo o que contém o universo. No curto tempo da visita, os homens se contemplam mutuamente e se emocionam. As imagens em impecável preto e branco (exceto um único plano colorido da Terra à distância) exploram os extremos de velocidade do slow motion e do time lapse. Mas o que nos arrasta e hipnotiza mesmo é a música a um só tempo melancólica e solene de Glass. Não fosse por ela, essa nova pensata de Reggio não iria além do lugar-comum filosófico e de uma estética razoavelmente ultrapassada.

Visto no Festival do Rio: A FILHA DE NINGUÉM, do coreano Hong Sang-soo, não tem a mesma verve de A VISITANTE FRANCESA, mas tem o charme, a leveza e a escrita surpreeendente do diretor. Uma jovem se despede da mãe que vai morar fora e tenta se libertar do amante casado. Só isso. Mas não precisa muito mais para Sang-soo nos encantar e divertir com os diálogos inesperados, a ternura gauche que se desprende dos relacionamentos e as simetrias que ele constrói ao longo de toda a narrativa, como ecos produzidos pelo acaso. A atriz Jung Eun-Chae encarna à perfeição a espontaneidade e a graça desse estilo. Em última instância, é um filme onírico sobre a solidão, pois a história toda se passa enquanto a protagonista cochila numa biblioteca em meio à leitura de “The Loneliness of the Dying”, de Norbert Elias. 

Visto na internet: WOLKE 9 (Nuvem 9), do alemão Andreas Dresen, é um drama seco e sóbrio, mas profundamente sensível, sobre uma mulher de 67 anos, casada há 30, que de repente se apaixona por outro homem. Inge (Ursula Werner) passa por diversas fases do “problema”: encantamento, checagem de diferenças, culpa, necessidade de contar para alguém, confissão, sofrimento, rearranjo… O filme vai desdobrando várias camadas com precisão e economia dramática, mostrando como o céu e o inferno convivem num episódio como esse. A separação, em uniões longas como essa, dificilmente chegam a um ponto de conciliação – e a dor de um frequentemente contamina o prazer do outro. Dresen devassa as emoções do trio com ênfase nos olhares e na linguagem corporal, servindo-se das falas apenas como pistas leves, lacunares. E as cenas de sexo entre idosos estão entre as mais veristas que já vi no cinema. O título é uma expressão que significa “estar nas nuvens”, em absoluta felicidade. No caso, temos uma problematização do termo. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s