Um crítico de si mesmo

Publico aqui o prefácio que escrevi para o livro REvisão Crítica, do colega Marcelo Janot (Ed. Autografia), lançado no último dia 24, no Rio. 

Todo crítico deveria ser, antes de tudo, um crítico de si mesmo. Entretanto, alguns poucos o são. Não muitos logram sair do seu lugar de afirmação e alteridade para incorporar dúvidas e praticar a autocrítica. Isso é especialmente verdade no campo das resenhas de filmes do mercado, quando o crítico é instado a fornecer impressões e análises rápidas, voltadas para um público consumidor de filmes e de opiniões.

Marcelo Janot é um dos raros profissionais desse meio que, com certa frequência, agregam sua subjetividade aos textos que publicam, mesmo que ele ainda hoje resista ao uso da primeira pessoa. Basta ver a maneira despudoradamente apaixonada ou demolidora com que se refere aos filmes situados nos extremos de sua admiração ou repulsa. Mas o que ele nos oferece neste REvisão Crítica é bem mais do que os reflexos de um espectador cintilando no peito do crítico.

Ao debruçar-se sobre sua produção e escolher textos para esta coletânea, Janot fez aquilo que poucos de nós se dão ao trabalho de fazer: a crítica da crítica. Nos pequenos textos novos que acompanham cada resenha ou artigo selecionado, ele examina equívocos e erros de avaliação, relativiza manifestações de entusiasmo que não resistiram ao tempo, recrimina-se pelo uso de referências ou termos politicamente incorretos e chega mesmo ao ponto de admitir que hoje discorda de tudo o que escreveu, por exemplo, sobre “Ponto Final”, de Woody Allen.

As observações se dirigem também às diversas circunstâncias do trabalho crítico, como as relações com o público leitor, com os editores de jornais e com o aparato publicitário da indústria cinematográfica; a controvertida atribuição de cotações; as particularidades da atuação em festivais; os dados de contexto (históricos, políticos, artísticos e mesmo pessoais) que influenciaram a escolha deste ou daquele viés crítico.

A passagem dos suportes impressos para os digitais é outro aspecto que mereceu a atenção de Janot nesse exercício de consciência crítica. Exemplos diversos são citados do maior grau de liberdade, conveniência e aprofundamento que a autopublicação na internet possibilitou aos críticos que disso souberam tirar partido. Daí este livro, por percorrer tantas searas do ofício, afirmar-se também como um bom manual para o crítico aprendiz. Até porque Janot recorre amiúde a sua experiência como professor de cursos de crítica de cinema para imprimir uma visão explicativa do seu trabalho.

Há também espaço, é claro, para celebrar o prazer de se relacionar com o cinema através do pensamento crítico. Assim como para a confirmação de antigas apreciações e o orgulho por esta ou aquela que se revelaria especialmente precisa ou teria repercussão acima do normal. Nada demais quando se trata de um crítico como Marcelo Janot, cultor de textos claros, comunicativos e cheios de insights reveladores sobre os filmes a que se referem.

Mesmo quando discordo de uma ou outra avaliação desse colega, consigo enxergar o seu ponto e a coerência do seu discurso. É justamente nessa dinâmica de encontros felizes e desencontros compreensíveis que se faz a diversidade fundamental do espírito crítico. Ao expor nesse livro os encontros e desencontros consigo mesmo através do tempo, Janot avança um pouco à frente da maioria de nós.

O livro pode ser encontrado em livrarias como Blooks e Travessa. Pode ser adquirido também online, na editora (com a opção de exemplar autografado) e na Amazon.

2 comentários sobre “Um crítico de si mesmo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s