Entre velas e Welles

A JANGADA DE WELLES na Mostra Ecofalante

Firmino Holanda é autor de uma pesquisa fundamental sobre a passagem de Orson Welles pelo Brasil em 1942 para filmar É Tudo Verdade. O livro Orson Welles no Ceará (Edições Demócrito Rocha, 2001) contextualiza admiravelmente, em texto e imagens, a aventura do realizador de Cidadão Kane em Fortaleza, a bordo da política de Boa Vizinhança implantada pelos EUA para assegurar alianças na II Guerra Mundial.

Welles veio filmar o carnaval brasileiro e decidiu incluir uma reconstituição da epopeia dos quatro jangadeiros que singraram os mares da capital cearense até o Rio de Janeiro numa jangada precária, ao longo de 61 dias e 2.400 quilômetros, para reivindicar direitos trabalhistas a Getúlio Vargas. Como se sabe, a filmagem resultou num acidente fatal para o líder dos jangadeiros, Manuel Jacaré, quando se aproximavam do ponto final da viagem, na Barra da Tijuca. Welles considerava esse episódio como o início da maldição que cercou sua carreira após o megassucesso de Kane.

Junto com Petrus Cariry, Firmino Holanda levou o seu trabalho para o cinema no documentário A Jangada de Welles, que integra a 9ª Mostra Ecofalante e pode ser visto aqui entre quarta (2/9) e sexta (4/9). O filme recupera arquivos e depoimentos de testemunhas oculares da presença de Welles no Brasil, assim como traços da mitologia criada a esse respeito. Rogério Sganzerla foi um dos maiores cultores dessa mitologia, e lá estão cenas do seu Nem Tudo é Verdade, com Arrigo Barnabé vivendo Welles ao lado de Helena Ignez e Grande Otelo.

Firmino e Petrus abriram o compasso do filme para tratar da situação dos pescadores e jangadeiros cearenses para aquém e além das filmagens de 1942. O Mucuripe, locação escolhida pela equipe de Welles, era então uma aldeia pesqueira remota, cujos moradores foram sendo depois afastados da orla pela urbanização da cidade e a especulação imobiliária. O Mucuripe favelizou-se ao mesmo tempo que os pescadores foram sendo expulsos de toda a beira-mar de Fortaleza e cedendo lugar aos bairros afluentes. A Jangada de Welles termina com imagens de uma remoção violenta em 2001.

Há lugar no filme tanto para a evocação afetuosa da breve convivência com o americano genial como para as vozes críticas que destoam do coro habitual. O filho de “Jacaré”, José Castro “Guaíba”, afirma nunca ter se certificado das circunstâncias da morte do pai. O pesquisador de música Cristiano Câmara, com sua ênfase costumeira, desmente a visão romântica dos jangadeiros, garantindo que tudo neles era tensão e exaustão. Os quatro aventureiros imortalizados pela imprensa da época e pelo projeto de É Tudo Verdade foram heróis da luta trabalhista que merecem ser lembrados diante do que temos vivido de 2016 para cá.

O documentário de Firmino e Petrus lança mão de vários recursos para se manter dinâmico e atraente. Comentários históricos e cinematográficos se combinam numa rede ensaística habilidosa. A narrativa trabalha graficamente trechos do roteiro de Welles, materiais de arquivo tratados metaforicamente (como no agenciamento de cenas do expressionismo alemão para abordar o nazismo) e até uma bonita projeção de It’s All True na vela de uma jangada. Nem tudo funciona tão bem, e me refiro principalmente à infeliz dublagem de Welles lamentando em português a morte de “Jacaré”.

Por duas vezes o filme traz o áudio de Welles no papel do marinheiro Michael O’Hara em A Dama de Shanghai (1947), recordando uma suposta visão macabra no litoral de Fortaleza. No seu livro, Firmino Holanda identifica nessa cena um eco das filmagens de cinco anos antes e uma prova de que “Welles, à maneira de antigos cronistas europeus ao descrever o Novo Mundo, lembra (da) nossa terra com as cores fortes das narrativas aventurescas”.

Destaquei abaixo a cena original de A Dama de Shanghai 

Um bom complemento para A Jangada de Welles é o próprio material filmado por Welles para Four Men on a Raft (Quatro Homens numa Jangada), disponível no Vimeo com erro no título:

 

Um comentário sobre “Entre velas e Welles

  1. Excelente. Mai um testemunho da presenca de Welles no Brasil, que afetou sua carreira, mas deixou uma marca indelevel na sua vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s