Quadrado pontiagudo

THE SQUARE: A ARTE DA DISCÓRDIA, vencedor da Palma de Ouro de Cannes e do European Film Award, é como uma dessas exposições de arte contemporânea que enchem várias salas de apetrechos e ruídos estranhos, dispostos em ordem meio labiríntica, de modo que a gente percorre os espaços com muita excitação, mas ao final não sabe bem o que viu. Em princípio, é uma sátira da arte contemporânea, especialmente dessa arte centrada no comportamento humano, nas atitudes sociais e nas mensagens politicamente corretas. O fictício museu sueco, inspirado no Palácio Real de Estocolmo, prepara a instalação “O Quadrado”, que pretende motivar as pessoas à generosidade e ao cuidado humanitário.

Mas Ruben Östlund, diretor do ótimo “Força Maior” e também ele um autor de instalações, quer falar de muitas outras coisas. Por exemplo, de indiferença com o outro e de excessos de tolerância, como na cena da palestra interrompida por um doente mental. Quer falar dos limites da performance numa sequência extraordinária em que o ator Terry Notary atua como um macaco num jantar de gala. Por extensão, fala da passividade dos esclarecidos diante de qualquer mistificação vendida como arte. THE SQUARE tematiza ainda a facilidade com que podemos nos transformar em animais e, por fim, a busca pelo impacto midiático em tempos de Youtube e mídias sociais. Eu disse, é muita coisa…

Tudo isso circula em torno de Christian, o elegante e bem pensante curador do museu. Seu nome não podia ser mais apropriado para um personagem martirizado seguidamente por diversas experiências mal-sucedidas: um roubo, uma reação desastrada, uma trepada de consequência problemática, um vídeo promocional nefasto que viraliza à sua revelia e um menino disposto a transformar sua vida num inferno. Christian é o tipo do cara que se julga limpo e correto o suficiente para se safar de qualquer sujeira ou incorreção.

O filme transita entre os diversos plots sem uma estrutura bem definida, deixando blocos inconclusos e ações sem explicação ou verossimilhança. Carrega como salvo-condutos o absurdo e a hipérbole, estabelecidos desde o início, quando uma estátua equestre é derrubada para dar lugar ao “Quadrado” diante da fachada do museu. Se abrirmos mão de exigências mais realistas e de continuidade narrativa, THE SQUARE tem muito a oferecer. Mesmo que, ao final, o saldo pareça mais pretensioso que sólido, a caminhada por aquele labirinto é imensamente prazerosa. A direção palpitante, as atuações repletas de minúcias e a sensação de permanente imprevisibilidade nos agarram pelo colarinho.

3 comentários sobre “Quadrado pontiagudo

  1. Pingback: Música, luta e coração | carmattos

  2. Assisti na semana passada ao longa Play, não conhecia Östlund, grande filme! Tratarei de assistir ao “The Square”. Obrigado pela crítica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s