Música, luta e coração

Para começo de conversa, devo dizer que 120 BATIMENTOS POR MINUTO é o mais profundo, comovente e épico filme que já vi sobre a Aids. Talvez porque não se detém nesse ou naquele aspecto do drama que ceifou tantas vidas. O painel desenhado por Robin Campillo contempla a dor, as perdas e o medo típicos do início dos anos 1990, mas também a ação militante, o humor, a ternura e os afetos de um grupo de jovens soropositivos parisienses.

Naquela época, Campillo era ativista do grupo Act Up Paris, que então fazia campanhas de esclarecimento e lutava por uma maior atenção do governo e dos laboratórios às vítimas da epidemia. Ele escreveu o roteiro junto com Philippe Mangeot, ex-presidente do Act Up. Essas vivências foram fundamentais para o resultado extraordinário do filme em termos de impressão de autenticidade e observação de detalhes de comportamento público e íntimo. Bastam três minutos da sequência inicial, uma das reuniões semanais do grupo, para já nos sentirmos plenamente inseridos na sua dinâmica.

O período coberto, entre 1992 e 1995, é o da exaustão do tratamento com antirretrovirais como AZT e DDI. Um grande laboratório (fictício, reunindo características de três labs reais) retarda a liberação de uma nova droga que poderia sustar de maneira mais eficaz a reprodução do vírus e causar menos estragos colaterais. O Act Up se lança em ações de protesto como atirar sangue falso em autoridades ou nas dependências da empresa farmacêutica. Além de com isso atrair a atenção da mídia, o grupo também militava com atos discretos, como colar adesivos de denúncia em livros homofóbicos.

O filme se ancora inicialmente no coletivo através das reuniões semanais, onde estratégias, condutas e dissensões são discutidas com um misto de disciplina metodológica e troça jovial. Um efeito documental primoroso é obtido pela adequação do casting – montado durante um ano inteiro –, a fluidez dos diálogos e a perícia da filmagem. (Vale lembrar que Campillo foi corroteirista de Entre os Muros da Escola e de outros filmes de Laurent Cantet.)

Quando não estão nas reuniões ou nos atos políticos, os ativistas estão dançando nos clubes, onde impera a música electro house, caracterizada pelas cerca de 120 batidas por minuto, tal como o coração. Essa é a base da lindíssima e estimulante trilha sonora do DJ e compositor Arnaud Rebotini, usada com criatividade nos diversos “estados de ânimo” do filme.

Como retratado em 120 BPM, o Act Up funcionava como uma espécie de segunda família, em cujo seio os ativistas fugiam à solidão da discriminação e à fatalidade da morte. A vida profissional e familiar, na maioria dos casos, passava ao segundo plano para quem se dispunha a empenhar suas forças e esperanças na luta pela sobrevivência, própria e de seus pares.

A partir de um certo ponto, o roteiro faz uma inflexão no rumo do individual, centrando-se mais na relação amorosa entre dois ativistas, um deles com a saúde em rápido processo de deterioração. Gradativa e suavemente como tudo no filme, passamos do político ao romântico e nos encaminhamos para algumas das cenas mais excruciantes e enternecedoras que o cinema já criou.

120 BPM é um filme sobre corpos. Um filme sobre os vários sentidos do que sejam corpos em ação. Corpos que dançam, amam, definham, deixam-se arrastar por policiais e se apalpam para medir o que lhes resta de vida. Um filme de tamanho poder de sugestão que quase nos toca fisicamente pela sintonia que estabelece entre nós e a verdade, a dignidade e a simpatia dos personagens.

Campillo é também autor da montagem, um primor de concatenação poética de tempos e espaços diversos. A sequência em que as luzes feéricas de um clube aos poucos se fundem com imagens de microorganismos, ou as sutis entradas de flashbacks são exemplares desse trabalho de grande delicadeza na construção de sentidos e na inspiração de sentimentos.

Imagino a surpresa em Cannes quando foi anunciado o Grande Prêmio (segundo lugar) para 120 BPM e a Palma de Ouro para The Square: A Arte da Discórdia. Este último é um filme brilhante e inesperado, sem dúvida, mas empalidece diante da obra-prima de Robin Campillo.

3 comentários sobre “Música, luta e coração

  1. Adoro ler tuas críticas, Carlinhos! Consegues transmitir as sensações e reflexões de forma que já me sinto assistindo o filme!

    Abração.

    Ana Rowe

    ________________________________________________ Ana Rowe-VistaArte! – (51) 9.8104-0001 (Vivo) / 3023-2162

    O que vestes pode ser *expressão*. do que pensas, do que sentes.

    O que vestes pode ser* bandeira*. do que acreditas, do que te vai na alma.

    Expressão e bandeira do teu povo, tua terra. Expressão e bandeira da *Arte*.

  2. Pingback: Meu 2017 e os filmes preferidos | carmattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s