Dilemas na estrada

Sobre A NATUREZA DO TEMPO e A NOIVA DO DESERTO

A mania de apontar interligações em filmes multiplot dá uma pista falsa para A NATUREZA DO TEMPO. As três histórias (com uma quarta que apenas se inicia na última sequência) são rigorosamente independentes, apesar dos links fortuitos que levam de uma a outra. Esta é somente uma das muitas e grandes qualidades desse primeiro longa do argelino Karim Moussaoui.

Temos um homem maduro às voltas com o filho, a ex- e a atual mulher; uma jovem noiva que se vê sozinha com um ex-namorado; e um neurologista se confrontando com uma vítima de estupro coletivo por terroristas. Em cada um desses blocos, o passado ecoa no presente de maneira decisiva e em gravidade crescente. Romper ou conviver com o passado parece ser uma questão simbólica para a Argélia atual. O título original, “En Attendant les Hirondelles” (“À Espera das Andorinhas”), remete à expectativa de um tempo melhor.

Nada impede, porém, que o filme seja fruído à revelia dessas significações alegóricas. Trata-se de um roteiro sofisticado e imprevisível, que leva o espectador a tatear o sentido das ações e o perfil apenas rascunhado dos personagens. Ainda assim, cada história é capaz de nos enredar sutilmente, sem dramatização nem esclarecimentos convencionais. Somos convidados ao prazer de uma aventura de descoberta e logo também de abandono.

Um road movie trifurcado, cujo percurso nos carrega por distintos cenários da Argélia: cidades, deserto, montanhas, favela. Um sóbrio e finíssimo trabalho de escrita e direção, que atesta a maturidade desse cineasta de 42 anos. O elenco é um espetáculo à parte em matéria de sutileza, economia de recursos e precisão sugestiva. Some-se a isso a excelência da fotografia e um uso surpreendente da música – com uma sequência particularmente arrebatadora de canto e dança.

A NATUREZA DO TEMPO foi uma das melhores surpresas que já tive no cinema este ano.



O argentino-chileno A NOIVA DO DESERTO é mais um road movie dos sentimentos. Sugere um cruzamento de “Central do Brasil”  com o episódio dirigido pelo mesmo Walter Salles em “Paris, Eu te Amo“. Mas sem uma parcela sequer do viço e da força daqueles. Uma empregada doméstica, há 20 anos dedicada ao filho da patroa, perde o emprego e viaja para um serviço no interior. No caminho, esquece uma bolsa e, para recuperá-la, envolve-se com um comerciante e seu trailer.

O título brasileiro é impreciso, já que “novia” em espanhol é namorada. Mas isso não importa, já que tudo no filme é mesmo bastante impreciso, tal como as imagens que frequentemente se desfocam no fundo do plano. A atriz Paulina Garcia (a Fernanda Montenegro do Chile, brilhante em “Glória”) aqui não tem material sobre o qual criar sua personagem. Ela tenta em vão lançar alguma luz naquela mulher apática através de estradas, paragens e um santuário onde se comercializa o mito religioso de “La Difunta”.

A bolsa esquecida funciona como um Macguffin, pretexto para fazer a trama mais importante avançar. O problema é a inexistência da tal trama principal. Os flashbacks tampouco ajudam a injetar vida numa personagem pálida e opaca, cuja provisória sensibilização durante o trajeto não escapa ao clichê romântico. Resulta uma história mínima, tanto em duração quanto em interesse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s