Meus filmes do ano

Em temporada de listas, quem não tem a sua passa em branco. Aqui vão os melhores filmes que vi em 2010. Outros tiveram estima parecida, mas resolvi fechar em três grupos de 10.

Melhores de ficção (lançados comercialmente no Rio):  

Dois filmes argentinos e um brasileiro aparecem aqui. Um Scorsese, autor que há muito tempo eu não apreciava tanto. Um coreano, pela primeira vez (Mother foi o único que mereceu minha cotação máxima). Mestres Herzog, Bellocchio e Resnais presentes. Um iraniano fora dos padrões. Um Haneke deslumbrante.

Mother, de Bong Joon-Ho
O Segredo dos seus Olhos, de Juan Jose Campanella  resenha
Ervas Daninhas, de Alain Resnais
Ilha do Medo, de Martin Scorsese  resenha
A Fita Branca, de Michael Haneke
Vincere, de Marco Bellocchio  resenha
Vício Frenético, de Werner Herzog  resenha
Abutres, de Pablo Trapero
Cabeça a Prêmio, de Marco Ricca  resenha
Procurando Elly, de Asghar Farhadi  resenha

Melhores documentários (lançados comercialmente no Rio):  

A baixa frequência de lançamentos documentais estrangeiros fez com que essa escolha privilegiasse os filmes nacionais. Mas a qualidade deles não deixa dúvidas.

O Homem que Engarrafava Nuvens, de Lírio Ferreira  resenha
O Inferno de Henri Georges-Clouzot, de Serge Bromberg e Ruxandra Medrea  resenha
Terra Deu, Terra Come, de Rodrigo Siqueira  resenha
A Alma do Osso, de Cao Guimarães
O Louco Amor de Yves Saint-Laurent, de Peter Thoretton  resenha
Dzi Croquettes, de Tatiana Issa e Raphael Alvarez
No Meio do Mundo, de Jean-Pierre Duret e Andrea Santana  resenha
Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo  resenha
José & Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes  resenha
Senna, de Asif Kapadia

Melhores filmes vistos em festivais e mostras no Brasil:

Aqui, por força das minhas preferências nos eventos, a proporção de docs é maior que a de fics. Mas Skolimowski e Guzmán dividem em isonomia os dois primeiros lugares com cotação máxima. Sete títulos foram vistos no Festival do Rio.

Nostalgia da Luz, de Patricio Guzmán (F.Rio)  resenha
Essential Killing, de Jerzy Skolimowski (F.Rio)
Coral de Tóquio, de Yasujiro Ozu (sessão com benshi na Mostra Ozu, CCBB)
Restrepo, de Tim Hetherington e Sebastian Junger  (F.Rio)  resenha
Last Train Home, de Lixin Fan (F.Rio)
Las Viudas de los Jueves, de Marcelo Piñeyro (F.Rio)
Diário de uma Busca, de Flávia Castro (F.Rio)
We Live in Public, de Ondi Timoner (F.Rio)  resenha
The Times of Their Lives, de Jocelyn Cammack (Femina)  resenha
Segredos da Tribo, de José Padilha (É Tudo Verdade)  resenha

2 comentários sobre “Meus filmes do ano

  1. Carlinhos,
    Grande afinidade com suas escolhas. Só estranho mesmo a ausência de curtas e médias! Um bom ano a você!
    Rubens

    • É verdade, Rubens. Essas listas acabam se concentrando muito nos longas. Eu, por exemplo, não anoto os médias e curtas que vou assistindo, o que torna difícil lembrar e ser justo no fim do ano. Mas certamente entre os meus melhores curtas estão “Recife Frio”, “Dois Mundos”, “Geral”, “Mãos de Outubro”, “Haruo Ohara” e “Áurea”. Entre os médias, “Laura” (DOCTV).
      Bem, gostaria de conhecer os seus favoritos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s