Festival do Rio: Talvez Deserto, Talvez Universo

O documentário de observação só se aproxima da não interferência ideal quando filma loucos, cegos ou pessoas sem nenhuma ideia do que seja o cinema. TALVEZ DESERTO, TALVEZ UNIVERSO chega perto disso ao documentar o cotidiano dos internos num hospital psiquiátrico forense de Lisboa. Ali estão 32 homens diagnosticados com esquizofrenia ou bipolaridade, culpados por delitos que vão desde sair nus na rua até cometer assassinatos. A não ser por três entrevistas – duas das quais logo se transformam em monólogos -, o diretor Miguel Seabra Lopes limitou-se a fixar sua câmera diante das rotinas dos internos: as deambulações, cortes de cabelo, afazeres e conversas maquínicas e obsessivas. Um senhor que pede insistentemente moedas a todos, outro que se volta para a câmera a fim de se defender da acusação de assassinato, um imigrante africano brincalhão que pede a mão de um colega em casamento. As ações, porém, são relativamente poucas. Na maior parte do tempo, a câmera apenas procura sincronizar-se com o ritmo daquelas pessoas nos planos fixos, captar o tempo da introspecção ou do inesperado, o vazio dos olhares.

Miguel assina o filme com sua mulher e parceira, a montadora Karen Akerman. Ela construiu uma estrutura que privilegia os tempos distendidos e não funcionais, assim como a ausência de continuidade. Uma estrutura que evidencia a desarticulação do pensamento racional. Não há a busca da crueza, como no clássico “Titicut Follies”, de Frederick Wiseman, ou no doc-denúncia “Em Nome da Razão”, de Helvécio Ratton, com os quais possui parentesco (até pelo uso do preto e branco). Ao contrário, Miguel e Karen se interessam por revelar pequenos gestos de humanidade, manifestações de afeto e até um certo nível de aceitação de alguns personagens quanto a sua condição. Escritos e até reflexões metafísicas são rapidamente expostos como uma breve alusão ao mundo interior, não manifesto, que palpita por trás das máscaras enquadradas pela câmera. O título do filme vem de um verso do roqueiro português Pedro Abrunhosa, admirado por um paciente dotado de pensamento crítico-político. A frase, então, ganha um sentido inesperado. É que da absoluta destituição (o deserto) ao pensamento mais delirante (o universo), existe um “talvez” que a loucura nos coloca como desafio.

2 comentários sobre “Festival do Rio: Talvez Deserto, Talvez Universo

  1. Carlinhos, pensei que você ia lembrar do Estamira, outro belíssimo exemplo da câmera oculta à consciência do sujeito filmado, a situação perfeita, estar lá olhando no buraco da fechadura, a verdadeira fresta de autenticidade. O poder do documentário. Mas, fiquei sem saber, sobre Deserto, talvez Universo, você gostou? E, aproveitando a deixa, nós vamos ter o prazer de ler suas impressões de todos os filmes da Premiere Brasil? Abraço e parabéns pela qualidade de seus pensamentos sobre Cinema,

    • Sim, Estamira é outra ótima lembrança, mas citei os que observam uma coletividade. Gostei do filme, sim, que pena se não passei isso no texto. Fiquei mais focado no sentido do filme do que na adjetivação. Infelizmente, não tenho como frequentar a Première. Escrevo sobre os filmes que tive a sorte de ver antes. Abração, Toni, sempre grato pelas suas palavras afetuosas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s