A língua de Hermila

Hermila Guedes beija muito e muitos em Era uma Vez Eu, Verônica. A língua da atriz é vista em ação a cada 10 ou 15 minutos, pois ela vive uma jovem psiquiatra cheia de tesão. O beijo de língua no cinema ultimamente é um evento explícito, uma espécie de prova documental de que a coisa é “pra valer”. Os beijantes devem expor a língua, introduzi-la um pouquinho na boca do parceiro, lamber a língua do outro, passá-la pelo rosto, pescoço, mamilos. A língua de Hermila não tem sossego no filme de Marcelo Gomes.

Mas a Dra. Verônica, recém-formada e em seu primeiro emprego como residente num hospital popular de Recife, tem dificuldade para usar a língua em outras situações. Com os pacientes que narram seus sintomas, Verônica fica estatelada, quase não consegue dar uma palavra. Vive a crise da passagem da teoria para a prática. Só consegue falar com um gravador, que faz as vezes (o ouvido) do seu terapeuta. Verônica se vê tão paciente quanto seus pacientes, que não conseguem expressar com precisão o que sentem. Meu colega Luiz Fernando Gallego, dublê de crítico e psicanalista, explica nesse texto a “clínica do vazio”, síndrome abordada pelo filme.

Verônica não consegue estabelecer laços afetivos, embora tenha a libido a mil. Sabe falar a língua do sexo, mas não a língua do romance. A crise parece aumentar seu desejo sexual. Mas o afeto, é como se estivesse inteiramente consumido pelos cuidados com o pai idoso e doente (W. J. Solha). Pensa em ser cantora, mas talvez essa não seja tampouco a sua língua. Verônica é aquele tipo de personagem pelo qual ou você se interessa sem compreender, ou larga pelo caminho por não falar a mesma língua que ela. Nisso vai pesar muito a sua apreciação dos encantos e do talento de Hermila, assim como da fotografia caliente de Mauro Pinheiro Jr.

Outro tanto vai depender do pacto difícil proposto por Marcelo Gomes. O filme tenta falar várias línguas alternadamente. Ora é um drama naturalista sobre o cotidiano familiar e profissional de Verônica, ora é um devaneio poético inspirado pela imaginação da moça; ora tangencia um comentário sobre a verticalização da orla recifense, nos moldes de outros filmes pernambucanos recentes, ora se entrega à dissipação das noites de música e sensualidade. Esses diversos idiomas parecem estar ali mais por um desejo do roteirista-diretor do que por emanar da natureza dos personagens. Saltamos bruscamente de um para o outro, em vez de passarmos por canais mais sutis e convincentes.

Como retrato feminino, Verônica acaba sendo uma pequena babel de intenções que se comunica melhor quando Hermila usa sua língua em silêncio.

Um comentário sobre “A língua de Hermila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s