O enclausurado

Francisco Brennand é tanto um filme sobre o artista quanto sobre a sua condição de enclausurado. Não à toa, a primeira cena o mostra dentro de seu ateliê falando sobre a janela que só há pouco tempo decidiu mandar abrir. Mas é uma janela gradeada e de vidro espesso, que não se abre e apenas deixa ver o exterior. A visão contrária, de fora para dentro, só é possível em condições normais de iluminação para quem colar o rosto no vidro – o que geralmente só fazem as crianças curiosas. Assim Brennand mantém-se recluso, opção assumida desde 1971, quando se internou na antiga olaria do pai e a transformou no seu Xanadu particular.

O local é ponto turístico das proximidades de Recife. Impressiona pela profusão de esculturas, templos, piscinas e painéis com inscrições, numa esotérica combinação de literatura, espiritualidade e artes plásticas. Brennand é um dos poucos artistas do Brasil a criar não apenas sua obra, mas um lugar específico para ela, que passa a ser parte dela. Enquanto admira e homenageia Gauguin, pintor viajante por excelência, Brennand preserva a fama de um quase eremita. Ele próprio descreve a Oficina Cerâmica como “uma cidadela sitiada”, protegida por muros e um exército de guardiões de barro.

Não é despropósito inserir esse doc sobre a cidadela de Brennand no campo conceitual de outros filmes pernambucanos, que tratam da paranoia e das fortificações dos bairros de classe média. Há um sentimento da região que também atua sobre as obsessões mitológicas do artista. O enclausuramento, porém, é somente uma face do seu comportamento.

Na outra face está a vaidade bonachona, que se expressa numa verbalização sedutora e no embevecimento com o próprio trabalho. Nota-se no filme de Mariana Brennand Fortes, sua sobrinha-neta, o empenho em divulgar sua produção pictórica, mais variada e menos conhecida que a obra em cerâmica. Com suas mulheres carnudas e tristes, em poses extremamente naturais, as pinturas e serigrafias de Brennand abrem pequenas frestas para sua vida pessoal. Bem pequenas, aliás, e isso é o máximo que o filme se permite nesse setor. Espaço maior têm as fantasias de morte do artista, frequentes em suas digressões e nos seus sonhos.  

Mais que um perfil biográfico, Francisco Brennand é a observação de um belo animal em seu habitat. Os travellings precisos e a luz “queimada” de Walter Carvalho não destoam em nada do ritmo e da temperatura do personagem. Lá está ele passeando entre seus abutres roliços, totens fálicos, figuras híbridas de nádegas e torres. Ou analisando esculturas e telas como se as olhasse de fora, com olhos de visitante. Ou ainda lendo as citações que espalhou pelos pátios, com a satisfação de quem decifra enigmas.

A voz dele é sólida e aconchegante. Isso somado à narração de Hermila Guedes e à lindíssima trilha musical de Lucas Marcier cria um tecido sonoro muito cativante. Ao mesmo tempo, ao transferir os trechos do diário de Francisco para a terceira pessoa, Mariana cria um distanciamento curioso. Somos levados alternadamente para dentro e para fora da enunciação de Francisco, enquanto permanecemos sempre, junto com ele, nos limites de seu enclausuramento. A cena final, única concessão ao exterior, exibe um mural realizado no início dos anos 1960 e abre o quadro para a Rua das Flores, no Centro de Recife.

Dentro da oficina de Brennand existem outros espaços de isolamento ainda mais radical, que são os fornos. Neles as peças “envelhecem”, se transformam e fabricam surpresas para quando as portas se reabrirem. Enquanto via o filme, eu esperava que esse tema do fogo fosse explorado de alguma maneira. Não aconteceu, o que me ensinou mais uma vez que um filme não é o que se espera dele, mas o que ele quer ser. E Francisco Brennand é um documentário redondo e perfeito como quis ser.      

4 comentários sobre “O enclausurado

  1. Eu, como uma boa pernambucana, cultivo um orgulho da minha cidade antes mesmo de entender o que é ser recifense. Talvez esse orgulho já esteja na genética dos “leões do norte”. Ao ver a exaltação da arte pernambucana, mais especificamente, recifense, esse orgulho só cresce dentro de mim. O castelo de Brennand é um dos meus locais favoritos de tantos lugares que já presenciei. Tudo aquilo respira arte e possui uma aura atemporal. Fico feliz que esteja sendo tão bem retratado pelas lentes de uma câmera, nossos olhos inconscientes.

  2. O lugar é lindo,v. já esteve lá?Fui com Bigode e Aurora durante um festival em Recife.Fiquei encantado com a calma e simpatia do Brennand e fascinado com suas obras.Só ao sair descobri que somos geminianos do mesmo dia, 11 de junho,ainda bem que não foi durante a visita senão ficaríamos conversando horas a fio como geminianos que somos,e pérderia a chance de circular pelo local.Tõ curioso.vou ver se consigo trazer pra Mostra aqui em Montes Claros. abs.

    • Já estive lá sim, Paulinho, há muitos anos. Conversei com o Brennand muito rapidamente, mas sei que ele costuma se estender nos papos com visitantes, sempre muito simpático.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s