Duas almas

Durante os seus primeiros 48 minutos, PIRIPKURA constrói lentamente uma expectativa para o que virá depois. Acompanhamos duas expedições do sertanista Jair Candor à procura de dois raros sobreviventes da nação Piripkura nas brenhas do Mato Grosso. São viagens penosas através da selva amazônica desde Rondônia, marcadas por noites sub chuva, longas esperas e uma dramática incerteza: Pacu e Tamandua ainda estariam vivos?
Os dois índios vivem sozinhos na mata desde sempre. A cada dois anos, a fim de garantir a demarcação das terras, a Funai manda uma expedição certificar-se de que eles ainda estão por lá. Não é fácil localizá-los através de vestígios deixados na floresta. A área protegida está cercada de fazendas e madeireiras ávidas por meter as máquinas na mata ainda virgem. A sobrevivência dos dois índios solitários é quase um milagre da natureza.
O encontro, enfim, supera tudo o que se esperava. Os dois homens, tio e sobrinho, subsistem num estado extremamente primitivo, com mínima possibilidade de comunicação externa, auxiliados somente por um facão, um machado e uma tocha de fogo – aliás, apagada já há alguns anos. Neles a rudeza convive com uma ternura marcante entre si e com os estranhos. Com eles Werner Herzog poderia reconstruir seu O Enigma de Kaspar Hauser.
Joel Pizzini, em 500 Almas, havia rastreado os vestígios da cultura guató, também no Mato Grosso. O documentário de Mariana Oliva, Renata Terra e Bruno Jorge não tem a mesma pretensão, até porque trabalha com dados ainda mais rarefeitos. Limita-se a registrar a procura e alguns dias de rápida convivência. Mas basta essa atitude de interesse e persistência para gerar um filme de grande importância etnográfica. PIRIPKURA testemunha um trabalho de formiga e ao mesmo tempo de gigante que é o de indigenistas como Jair Candor em sua incansável tarefa de garantir a sobrevida dos últimos remanescentes de povos originários.
Quando nos despedimos de Pacu e Tamandua no final do filme, é como se víssemos desaparecer um pedaço do nosso mapa.

2 comentários sobre “Duas almas

  1. Belo texto Carlos. Trata-se um belíssimo documentário em sua simplicidade, com uma acuidade e um senso de observação gigantescos. Parece que encontramos uma parte essencial de nós naqueles dois índios. E dela também nos despedimos como você coloca em bela frase de encerramento. Filme essencial. Abçs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s