O ontem e o hoje nos docs musicais

Ano que vem, mês que foi / É a mesma dança, meu boi Os documentários sobre música são o maior filão do cinema brasileiro contemporâneo. Se não em matéria de bilheteria, pelo menos no que diz respeito ao interesse dos cineastas. Quando vemos veteranos como Nelson Pereira dos Santos e Vladimir Carvalho, realizadores de sucesso…

Um cabaré filosófico para Mautner

É Tudo Verdade – A abertura carioca do festival ontem (sexta) foi em total clima de festa. Amir Labaki, Jorge Mautner, o produtor Paulo Mendonça (Canal Brasil) e Heitor D’Alincourt, um dos diretores do filme, receberam uma plateia lotada (duas salas) para ver Jorge Mautner – O Filho do Holocausto. Ao final da sessão, não…

Nosso primeiro Oscar?

João Luiz Vieira me apresentou a pesquisa de seu ex-aluno Felipe Haurelhuk, cuja monografia de conclusão de curso (TCC) foi sobre a presença do Brasil no Oscar desde 1929. Segundo o professor, Felipe “descobriu dados bastante interessantes, tudo muito bem documentado, incluindo pesquisas na biblioteca da Academy of Motion Pictures, em Los Angeles”. A meu pedido,…

Por dentro da Missa

Antes de publicar o post anterior, sobre a montagem em cartaz de Missa dos Quilombos, eu tinha enviado algumas perguntas ao diretor Luiz Fernando Lobo. As respostas chegaram depois da publicação. Segue aqui a entrevista: ………………………………………………………………………………………………… – Esta parece ser a sétima vez que você monta o espetáculo. Qual a principal novidade dessa atual montagem,…

Ópera operária

Dê uma pausa na dupla Botelho & Moeller e se ligue num autêntico musical brasileiro. Missa dos Quilombos está só até terça que vem no Armazém da Utopia, no cais do porto. A Missa na verdade é uma ópera afro-brasileira, escrita há 30 anos por Milton Nascimento, Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra. Já foi montada…

Águas de Mauro

Para deixar na memória aqui do blog, publico a paródia de Águas de Março que fiz para a coluna “O Que é Cinema Brasileiro” da Revista Zingu!. Nesta versão, fiz duas ou três pequenas alterações. É para ser cantada com a melodia e a métrica da canção de Tom Jobim. É sol, é terra, é…

Vladimir no shopping

Rock Brasília – Era de Ouro estreou ontem nacionalmente com pinta de se tornar o maior sucesso comercial da carreira de Vladimir Carvalho. São 40 cópias, o que é raríssimo para documentários brasileiros. Só em João Pessoa, capital do seu estado natal, o filme entrou em três shopping centers. Segundo Renato Félix, jornalista do Correio da…

O ritmo nas veias

A bateria é onde pulsa a escola de samba. Se ela falha, o corpo inteiro sente. Se ela vibra, tudo o mais vibra também. O novo documentário de Thereza Jessouroun, seu primeiro de longa metragem, vai em busca dos segredos e da história desse órgão vital no corpo da Estação Primeira de Mangueira. Esnobado pela…

As Canções

As canções sempre tiveram um papel importante nos filmes de Eduardo Coutinho. Quando os personagens de Santo Forte, Babilônia 2000 ou Edifício Master, por exemplo, eram instados a cantar diante da câmera, aquilo fazia parte da proposta de autofabulação embutida nos filmes. Ao cantar, as pessoas se reinventavam, assumiam mais plenamente o “teatro de si…

Rock Brasília – Era de Ouro

(Texto publicado originalmente em 9/7/2011) Um filme sobre rock?! É o que muitos perguntam, assustados, ao ver o nome de Vladimir Carvalho associado a seu novo longa, Rock Brasília – Era de Ouro, eleito melhor doc do Festival de Paulínia e Prêmio Saruê no de Brasília. Para Vladimir, no entanto, isso não representa uma novidade absoluta.…

Um filme de rock?

Um filme sobre rock?! É o que muitos perguntam, assustados, ao ver o nome de Vladimir Carvalho associado a seu novo longa, Rock Brasília, que estreia nacionalmente hoje no Festival de Paulínia. Para Vladimir, no entanto, isso não representa uma novidade absoluta. Um dos filmes que mais o impressionaram nos anos jovens foi Sementes de Violência, de…

Pão para os ouvidos

Escrevo estas notas ainda sob os eflúvios do concerto que vi há pouco no Espaço Tom Jobim. Ultimamente tem sido muito rara a oportunidade de ver Egberto Gismonti tocando ao vivo. E poucas coisas se comparam a Egberto Gismonti tocando ao vivo. O misto de concentração sagrada e arrebatamento lúdico com que ele ataca os…

Lição de ritmo

AS BATIDAS DO SAMBA de Bebeto Abrantes O bom documentarista não é só o que descobre temas e objetos originais, mas também aquele que encontra, no que já é conhecido, a faceta ainda capaz de alguma revelação. Bebeto Abrantes vai ao samba com ouvidos atentos à evolução do gênero através dos seus instrumentos e suas…

Travessuras de Laurie

Com seu ar de garoto travesso, Laurie Anderson abriu ontem pessoalmente a sua exposição I in You / Eu em Tu no CCBB-RJ. A moça trouxe seus violinos performáticos, vídeos e duas instalações de encher os olhos (e ouvidos). Numa delas, poemas audiovisuais são projetados em quatro telas de formatos e tamanhos diferentes. Na outra,…

‘Os Mutantes & the Garden of Notes’

Diversão de domingo: Descobri no Youtube esse curta americano em homenagem a Os Mutantes. Para apresentá-lo, apenas traduzo a sinopse postada pelo autor, Jeff McCarty: “A história de Os Mutantes é talvez a mais estranha em toda a história do rock e serviu como inebriante inspiração para artistas tão diversos como Beck, Devendra Banhart, Sean…

Quisiera morir

Diversão de domingo: Soledad Villamil dando uma canja para os convidados do 7º Amazonas Film Festival no domingo passado, nos jardins do Palácio Rio Negro (Manaus). Gravei com meu Motorola Milestone e não soube resolver a perda de synch nos últimos instantes do clipe. Perdoem, mas vale pela raridade.

Uma Noite em discussão

Tenho visto dois tipos de reação entre as pessoas que saem de Uma Noite em 67. De um lado tem aqueles, geralmente mais maduros, que comentam, maravilhados, os eventos do III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record. Ou repetem, divertidos, os comentários colhidos por Ricardo Calil e Renato Terra juntos aos finalistas de…

O animal que escuta a si mesmo

Ainda não vi o doc Jards Macalé – Um Morcego na Porta Principal, mas trago de volta aqui o iluminado texto que Felipe Messina publicou no DocBlog durante o Festival do Rio de 2008. Curtam aí:   Antes que acenda a luz do dia, o morcego corta o ar e desfere seus berros contra os obstáculos. A…

O homem que também fazia músicas

Na minha resenha de O Homem que Engarrafava Nuvens (leia aqui), fiz rápida menção ao fato de o filme não destacar devidamente as letras, o que teria sido a contribuição principal de Humberto Teixeira nas suas parcerias com Luiz Gonzaga. Ao ler isso, meu amigo Jairo Severiano, um dos maiores pesquisadores da MPB, ponderou comigo…

Baião, que bom tu sois

Ao contrário de muita gente boa, eu não gostei de Cartola – Música para os Olhos, o doc com que Lírio Ferreira e Hilton Lacerda quase afogaram o sambista num mar de referências estapafúrdias (leia minha resenha). Se os dois pernambucanos não acertaram o compasso do samba, a afinidade de Lírio com o baião rende…