Homens extraordinários, filmes quadrados

Pílulas sobre 13 MINUTOS e INDIGNAÇÃO

Por 13 MINUTOS a História do século XX poderia ter sido outra. Georg Elser, operário, carpinteiro e músico de província, ativista da Frente Vermelha, planejou e executou sozinho o atentado a bomba destinado a matar Adolf Hitler em 1939. O Führer, no entanto, saiu do local 13 minutos mais cedo – e não foi possível evitar a II Guerra Mundial. O filme de Oliver Hirschbiegel conta a história desse herói da resistência, alternando os tempos entre antes e depois do atentado. Antes, a vida de rapaz atrevido que se arriscou a ser amante da mulher de um brutamontes bêbado e brutal, assim como a sua progressiva indignação com o crescimento das ideias nazistas. Depois, a sucessão de torturas e pressões dos oficiais de Hitler para que ele delatasse seus colaboradores (que simplesmente não existiam) e o seu fim no campo de concentração de Dachau.

Hirschbiegel (“A Queda!”, “A Experiência”) é diretor de estilo sóbrio e eficiente, mas sem grandes voos de criatividade. 13 MINUTOS limita-se a narrar sua história e pontuar observações sobre o avanço dos nazistas numa pequena cidade dos Alpes alemães. Percebemos a acolhida entusiástica das pessoas comuns e os mecanismos de alienação a que muitos recorreram para atravessar a maré de autoritarismo e crueldade. Nesse sentido, a personagem da escrivã dos interrogatórios, embora bastante secundária, é importante para sugerir os dilemas entre indiferença e solidariedade.

Apesar da correção narrativa em geral, alguns aspectos me pareceram obscuros. Como Elser teve acesso tão rápido e fácil à tribuna de onde Hitler falaria em Munique, cidade grande e distante da sua? E por que se deixou prender de modo tão imprudente? Como se portou o marido de Elsa depois de um certo incidente conjugal decisivo? Qual a importância de destacar o desfecho truculento do general encarregado de arrancar a suposta verdade de Elser no cativeiro? Em muito menos de 13 minutos o filme poderia ter deixado essas coisas mais claras.



Baseado em romance de Philip Roth, INDIGNAÇÃO sugere que a um jovem americano de 1951 só restavam duas opções: ou entrar para uma universidade, ou ir morrer na Guerra da Coreia. Marcus Messner (Logan Lerman), judeu ateu e filho de um açougueiro, tem a sorte de ir para uma faculdade em Ohio. Mas ali vai encontrar outro tipo de guerra, em que combaterá em duas frentes: a de suas convicções contra o conservadorismo moral e religioso da instituição; e a do seu próprio espanto perante o espírito livre de uma garota sexualmente atrevida, mas igualmente perseguida pelos dogmas do bom comportamento (Sarah Gadon).

A sequência central do filme é uma longa e tensa discussão em que Marcus enfrenta o reitor da universidade (Tracy Letts). Ali ficam explícitas as contradições entre o discurso de liberdade à americana (religiosa, inclusive) e as práticas repressivas que forjaram uma sociedade libertária somente na teoria. A recusa de Marcus é a jogar o jogo de uma convivência comunitária em que as diferenças se diluem na hipocrisia ou são alojadas em guetos. Seu herói é Bertrand Russell, mas o namoro com Olivia vai mostrar como ele ainda teria muito que aprender em matéria de emancipação. O personagem é mais interessante que o filme.

INDIGNAÇÃO foi coproduzido pela RT Features do brasileiro Rodrigo Teixeira, dirigido e adaptado por James Schamus, habitual roteirista e produtor de filmes de Ang Lee. A linguagem bastante convencional pretende nos sintonizar com a camisa de força que a família e a faculdade representam para Marcus. Esta opção torna a atmosfera mais sufocante, no bom e no mau sentido. Por vezes, queremos ver algo mais que diálogos resolvidos pobremente em campo e contracampo ou um ambiente universitário com algo mais que figurantes caminhando para lá e para cá com livros nas mãos. Nada pior para representar a caretice do que a própria caretice. E a moldura narrativa, que envolve soldados na Coreia e uma senhora em asilo de velhos, acentua as cores do melodrama para além do necessário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s