Um pouco de Filme Livre

Nenhum evento ocupa as salas de cinema do CCBB por tanto tempo quanto a Mostra do Filme Livre. Este ano, a programação carioca começou em 29 de março e se estende até 24 de abril. É a 16 edição, o que faz da MFL uma das mostras mais longevas no calendário do CCBB. Para o…

Tiradentes, o ano dos veteranos

Conhecida pelo espaço que abre para diretores jovens e propostas de renovação do cenário cinematográfico brasileiro, a Mostra de Cinema de Tiradentes, nessa sua 19ª edição, contempla realizadores veteranos em proporção talvez inédita. Não falo apenas das sessões do Cinema na Praça, que sempre trouxeram filmes de apelo mais popular, independente da faixa etária e…

O que vi na Semana dos Realizadores

A seguir, minhas pílulas críticas sobre oito filmes vistos na VII Semana dos Realizadores e já publicadas nas redes sociais. Convidado através do Forum de Berlim e do festival gaúcho Cine Esquema Novo para a Semana dos Realizadores, THE FORBIDDEN ROOM, de Guy Maddin, provocou uma pequena debandada, a primeira vez que presencio isso na…

Notas do Ceará (6) – Medo do Escuro

Ivo Lopes Araújo é o grande nome da direção de fotografia do cinema autoral-coletivo que recolocou o Nordeste no mapa cinematográfico brasileiro. Sua capacidade de lidar magistralmente com pouca luz, seus enquadramentos criativos e as texturas peculiares que ele obtém nas imagens o situam já como um mestre. Em 2007, Ivo assinou a direção de…

Da Belair à Beleza

As aproximações que volta e meia se fazem entre o Cinema Marginal da década de 1970 e o cinema brasileiro independente contemporâneo ganham força com os três filmes da Operação Sonia Silk, em cartaz no Estação Net Rio. Foram três longas-metragens filmados simultaneamente em janeiro de 2012, inspirados no modelo da mítica produtora Belair, de…

Notas de Tiradentes: Vamos gozar outra vez

Depois que o cinema da Retomada foi acusado de puritano, esvaziado de libido, os realizadores da geração seguinte parecem dispostos a literalmente tirar o atraso. O sexo tem servido inclusive à afirmação da diversidade sexual e a um cinema muito colado à experiência pessoal – real ou fantasiada – de seus autores. Penso essas coisas…

Estrada, Fuga ou Acidente?

Cinema Novíssimo, Jovem Cinema Brasileiro, Cinema de Garagem… Seja qual for o nome, o fato é que desde o Cinema Novo não víamos uma floração de filmes e pensamento crítico interligados como esta recente.

Salgadas famílias

Famílias de cair o queixo fizeram meu programa ontem (sexta) no Olhar de Cinema – I Festival Internacional de Curitiba. Sangue do meu Sangue, do português João Canijo, e Tudo que Deus Criou, do paraibano André da Costa Pinto, são filmes magnetizantes por força não só de suas tramas familiares impactantes, mas também pela potência…

Seres híbridos em filme híbrido

Certos filmes me deixam num estado de perplexidade quando os vejo pela primeira vez. Saio com a certeza de que preciso revê-los, quando então tudo pode acontecer: da rejeição frontal à apreciação apaixonada, passando por todos os estágios intermediários. Foi o que aconteceu quando assisti pela primeira vez a O Céu Sobre os Ombros. Cheguei…

Os três da semana

Numa sucessão vertiginosa, os filmes brasileiros estão chegando e rapidamente saindo de cartaz para voltarem ao circuito da relativa obscuridade. Poucos chegam a vencer o marco das duas semanas em alguma sala, em horários nem sempre convidativos. Isso faz com que sua passagem pelas salas de cinema se torne apenas uma etapa necessária a cumprir,…

O que querem os artistas contemporâneos?

Riscado e Os Monstros são filmes que, através das atitudes de seus personagens, ajudam a pensar certas atitudes do jovem cinema brasileiro. Ajudam, antes de mais nada, por serem bons filmes. Neles, o prazer da fruição vem junto com a funcionalidade do diagnóstico. Ambos têm em comum tratar da condição do artista contemporâneo a partir…

Tão jovens

Três filmes que acabam de entrar em cartaz no Rio lidam com questões da juventude ou procuram algum tipo de diálogo com uma plateia juvenil: O Homem do Futuro, A Fuga da Mulher Gorila e Medianeras – Buenos Aires na Era do Amor Virtual. São três caminhos inteiramente distintos e três modelos de cinema bastante…

Cinema passageiro

Enquanto Pacific está em cartaz no Cine Joia (até 5ª feira, sempre às 20h), republico aqui o texto que fiz para a Filme Cultura nº 55 sobre o “cinema a bordo” de Marcelo Pedroso:  Chama atenção o fato de um jovem realizador pernambucano ter feito, consecutivamente, dois filmes inteiramente rodados a bordo de embarcações. Seria…

Fantasias sem corpo

Comédia adolescente, aventura de super-heróis, conto de fadas, ensaio poético, drama de periferia – os gêneros cinematográficos se acotovelam em A Alegria. No entanto, o filme não quer ser nada disso, mas algo que estaria muito além: um comentário sobre os gêneros, na medida em que as potências de cada um estariam esgotadas pelo cinema…

Enfim, Ythaca

O poema de Konstantinos Kaváfis citado no final de Estrada para Ythaca é um elogio da viagem em detrimento do destino. Um louvor ao percurso em detrimento da chegada. Ythaca não seria tanto o objetivo, mas o que nos faz partir e absorver os conhecimentos do trajeto. O filme dos Irmãos Pretti e dos Primos…

Minha resposta a Filipe Furtado

A discussão sobre o jovem cinema brasileiro, deflagada pelos artigos de Felipe Bragança e meu em O Globo, foi retomada no blog Anotações de um Cinéfilo, do crítico Filipe Furtado. Para quem não andou por lá, segue abaixo minha resposta ao post do Filipe: Parabéns, Filipe, pela pachorra em esmiuçar os subtextos dos dois textos. Não me importo…

Sérgio Borges defende convicções estéticas

Ainda um comentário que vale destacar no debate deflagrado aqui em torno do jovem cinema brasileiro. Dessa vez, é o cineasta mineiro Sérgio Borges, que dirigiu O Céu sobre os Ombros, eleito melhor filme do último Festival de Brasília: Carlos, Acho a sua posição importante. Realmente os jovens realizadores brasileiros, dito autorais, tem que ter…

Fábio Andrade: “Não há silêncio”

Entre os muitos comentários ao meu texto Menos silêncio, por favor, aqui está mais um que justifica um realce especial no blog. É do crítico Fábrio Andrade, da Revista Cinética: “Carlinhos, antes de mais nada acho bacana te ver entrar nessa discussão. Compartilho essa impressão de que há um certo desespero por afirmação em parte…

Cezar Migliorin destaca as redes

Pelo teor e extensão, destaco abaixo o comentário do cineasta, artista, crítico e professor Cezar Migliorin a respeito do meu artigo Menos silêncio, por favor.  Salve meu amigo, Visto a carapuça. Tenho apontado para esse cinema como algo importante no Brasil hoje. Me dediquei mais longamente a apenas quatro filmes; Avenida Brasilia Formosa, Pacific, Sábado à Noite e O…

Menos silêncio, por favor

(Artigo publicado hoje no caderno Prosa e Verso de O Globo) Tentei calar-me, mas fui vencido pela necessidade de dizer duas ou três coisas a propósito e a partir do artigo de Felipe Bragança no Prosa e Verso (O Globo) de sábado passado (leia aqui). É um texto articulado e vibrante, que faz um histórico…