Jurandyr em 26 minutos

Jurandyr pq

Anna Azevedo entrega semana que vem ao Canal Brasil o programa sobre Jurandyr Noronha para a série Retratos Brasileiros. Ela e sua Hy Brazil Filmes produziram este que é meu primeiro trabalho de direção, se não contar os vídeos domésticos de viagens e uns Super-oitos que fiz com Julio Bronislawski em fins dos anos 1970.

Aceitei o convite do Canal Brasil por conta da minha amizade com Jurandyr, um veterano que admiro sobretudo por sua cruzada pela preservação da memória cinematográfica brasileira. Isso o levou não só a reencontrar tesouros perdidos, como a realizar documentários e escrever livros que são verdadeiros cursos de história do nosso cinema.

Aos 93 anos, com memória intacta, Jurandyr contou sua trajetória para a câmera de Jacques Cheuiche. Duro foi resumi-la nos parcos 26 minutos da grade, o que fiz com a parceria de Felipe Abrahão ao longo de várias semanas de edição. Eduardo Souza Lima, o Zé José, foi outro parceiro de criação em vários momentos.

Ainda não sei quando o canal vai agendar o programa e me transformar de pedra em vidraça. Não é assim que falam os que veem a relação artista-crítico como um tópico bélico? Não é o meu caso, mas sei que a metáfora estridente ainda vem ao pensamento quando um crítico passa à direção. Torço para que uma nova geração de críticos-cineastas possa sepultar de novo esse conceito, como aconteceu na Nouvelle Vague francesa e no Cinema Novo brasileiro.

Mas essa “estreia” é mais uma extensão do meu trabalho de pesquisador do que o surgimento de um documentarista. Cineasta mesmo é Luiz Carlos Lacerda, o Bigode, que terá exibido neste domingo, às 18 horas, o seu recém-concluído programa sobre o grande cenógrafo Anísio Medeiros na mesma série Retratos Brasileiros. Aí então vou ver como é que se faz.

6 comentários sobre “Jurandyr em 26 minutos

  1. Ora vejam só! Trabalhou na moita, ninguém sabia desse seu lado “B”(ou virá a ser seulado “A”?) e deixa essa nota vaga sem dizer quando vai entrar no ar… Será por medo das futuras resenhas implacáveis dos críticos-clones? hehehehe

    • Muito antes que qualquer dublê venha espinafrar meu programinha, eu mesmo vou fazê-lo. Antes da estreia, publicarei a autocrítica.

  2. Torço para que seja o surgimento de mais um grande documentarista, isso sim!

    parabéns pelo doc e pelo blog, Carlinhos

  3. Querido Carlinhos,
    Vc e sua caracteristica generosidade! Quem sou eu para ensinar qualquer coisa a alguem?! Ainda mais a uma pessoa extremamente criteriosa, culta, honesta nas suas sempre construtivas observações que nos servem de guia, de roteiro, com a precisão de seus comentários fundamentados, elegantes e precisos.
    Eu estou louco pra ver seu primeiro filme! Parabéns e bem vindo a esse outro lado do balcão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s