O “Cinema Paradiso” indiano

LAST FILM SHOW
Inédito no Brasil, este é o filme que representa a Índia e está pré-indicado ao Oscar de filme internacional.

A transgressão às regras das castas é um tema frequente no cinema indiano. Em Last Film Show (Chhello Show), indicado pela Índia para concorrer ao Oscar de filme internacional, temos uma família brâmane (a casta mais alta), mas de vida modesta. Haviam perdido o gado que tinham e vivem hoje de vender chá a passageiros na estação de trem de uma pequena cidade do estado de Gujarat, oeste da Índia. Ao pequeno Samay (Bhavin Rabari, ator de enorme precocidade) não é permitido ir ao cinema porque, segundo o pai. aquele é um mundo “sujo” para os brâmanes.

Acontece que Samay está apaixonado pela magia das projeções na luz, as transparências coloridas e tudo o que favoreça as fantasias visuais. Ele foge de casa e da escola para frequentar a cabine de projeção do cinema local depois que faz amizade com o projecionista.

Sim, Last Film Show pode ser chamado de Cinema Paradiso indiano. Ali está a mesma relação de paixão pela materialidade do cinema e o mesmo olhar nostálgico para o que os filmes representam na mentalidade da província.

O longa de Pan Nalin (autor do festejado Samsara) se desenvolve numa chave relativamente ingênua com as peripécias de Samay e seus amiguinhos para improvisar o seu cineminha particular com fotos, rolos de filme roubados e sucata transformada em projetor. A espantosa engenhosidade dos garotos situa o filme na esfera da fábula. O que perde em plausibilidade, Last Film Show compensa em graça, ternura e vivacidade.

Mas a grande surpresa vem mesmo no último ato, quando a realidade do cinema digital se instala na cidadezinha e Samay descobre o destino das velhas máquinas e dos rolos de celuloide. Uma sequência magistral “documenta” esse processo, enquanto as cenas finais, no vagão feminino de um trem, rendem uma bela homenagem à permanência dos grandes cineastas, independentemente do suporte.

Samay continua sua busca pela captura da luz e sua transformação em histórias. A sua própria história é pura matéria de cinema, coisa que a Índia trata com imenso carinho e muita competência.

Trailer em inglês:

Um comentário sobre “O “Cinema Paradiso” indiano

  1. Pingback: Balanço do meu ano cinematográfico | carmattos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s