Apenas um filminho

A rede de simpatia que envolveu Apenas o Fim corre o risco de criar um filme fictício no lugar de um filme de ficção. As pessoas falam de sinceridade, baixo custo e despretensão como se esses fossem índices de qualidade cinematográfica. Não são. Ralinho como papa aguada, o filme de Matheus de Souza não depende da decifração dos signos pop-tele-games para ficar melhor. Pelo contrário, o acúmulo dessas alusões torna a conversa do casal mais artificial e supostamente “espetacular” do que sugere o despojamento da filmagem. E as aproximações com Godard, Richard Linklater, Woody Allen e Domingos Oliveira, convenhamos, só fazem mal ao modestíssimo (em muitos sentidos) Apenas o Fim.

Calma, gente, não percamos as referências.  

6 comentários sobre “Apenas um filminho

  1. Sem querer armar debate em site alheio, eu acho que muito filme bom foi feito tentando fazer tudo certinho e agradar o público. O maior problema desse nosso cinema é que ele faz tudo certinho para agradar a um público minúsculo de gente que foi aos mesmos colégios, comprou nas mesmas lojas, namorou as mesmas pessoas e paga IPTUs parecidos. Daniéis Filhos com sinal trocado.

  2. Carlinhos, ainda não vi o filme, mas me vem à mente uma frase do Neville D’Almeida: “O cinema que triunfou no Brasil é careta, não mostra nada, é um Cinema Mauricinho, que só se preocupa em agradar o público e tentar adivinhar o seu gosto.”
    Tem a ver?

    • Marcelo, concordo com o Douglas aí embaixo que a questão não é querer fazer certinho. Os irmãos Salles, por exemplo, querem fazer certinho e fazem filmes ótimos. “Estômago” é todo certinho e é bom pra cacete. O que me desagradou em “Apenas o Fim” foi a circunscrição do filme àquele mundinho pop adolescente, como se tudo aquilo soasse muito inteligente, mas sem oferecer inteligência de verdade em matéria de dramaturgia, discussão ou mesmo emoção. O que mais gosto é a sequência do quadro-negro, quando o filme quase cria um discurso paralelo sobre sua própria pretensa espontaneidade. De resto, vejo mais inanição que frescor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s