Observação da inércia


O documentário de observação é levado a um certo impasse em CORPO DELITO, de Pedro Rocha. Uma câmera quase sempre fixa acompanha o cotidiano de três amigos na Favela dos Índios, em Fortaleza. Todos estão à deriva, sem ocupação nem projeto de vida, e frequentam as bordas da criminalidade. O mais jovem se cura de um tiro na perna, outro entra na maioridade sustentado pela mãe. O personagem principal é o mais velho dos três: Ivan passou oito anos na cadeia e agora está no semi-aberto com tornozeleira eletrônica. Ele não se conforma com esta prisão dentro de casa. Há ainda uma mãe que visita o túmulo do filho, morto no crime.

O dispositivo armado para observá-los necessita de atos, fatos e relatos que aprofundem minimamente o conhecimento deles pelo espectador. O que vem, no entanto, é bem pouco se comparado com os longos trechos de silêncio, conversa fiada, festinhas e bailes. A atitude observacional está lá, com razoável acesso às intimidades, principalmente de Ivan e sua família, mas a colheita é parca.

O que de melhor se colhe, afinal, é um retrato da inércia juvenil na periferia. Imaginários ocupados pela violência e os fetiches de consumo. Além da simples estupidez que alimenta a superlotação dos presídios e a tragédia penitenciária brasileira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s