Transcendência e memória

Começou no sábado a sétima edição do Festival Internacional Cinema e Transcendência, dessa vez online. De perfil único no Brasil, não é um evento de cinema religioso, como alguns podem pensar. Foi idealizado pelo cineasta e músico André Luiz Oliveira (Meteorango Kid, Louco por Cinema, Sagrado Segredo), que faz a curadoria em conjunto com a jornalista Carina Bini. “O que nos tem instigado e nutrido ao longo desses sete anos de existência é essa possibilidade de promover uma relação transformadora entre o cinema e a realidade interior de cada indivíduo”, diz a dupla na apresentação do festival.

A programação se compõe de filmes, show musical, lives e debates. Confira tudo no site oficial. A abertura foi com o novo documentário de Alejandro Jodorowsky, Psicomagia, a Arte da Cura. Ainda não pude ver esse filme mas, ao que me consta, é uma iguaria exótica para os fãs do cineasta, guru espiritual e pelo menos 10 outras qualificações.   

Posso indicar dois filmes sem medo de errar. O primeiro é O Navio de Teseu, obra-prima do cinema filosófico indiano, apresentado na primeira edição do festival e reprisado este ano nos dias 15/11 e 26/11 (leia minha resenha aqui). O segundo é O Outro Lado da Memória, projeto singularíssimo de André Luiz Oliveira, que comento abaixo e vai passar nos dias 20/11 e 27/11.

Um resgate precioso

A história dos filmes não filmados ou não concluídos seria matéria para uma outra história do cinema brasileiro. E se cada projeto desse recebesse o cuidado e a devoção que André Luiz dedicou a sua adaptação de Viva o Povo Brasileiro, teríamos um índice bem menor de perdas nesse campo.

Em meados da década de 1980, o diretor baiano estava afastado há 10 anos do cinema quando se interessou pela transposição cinematográfica do então recém-lançado livro de João Ubaldo Ribeiro. A produção, porém, só começou a ser montada depois que André se mudou para Brasília, em 1991. A rigor, só começou mesmo por volta do ano 2000, quando as pesquisas começaram a gerar estudos da arte do filme, e o elenco começou a ser trabalhado, no eixo Bahia-Brasília. O escopo era de uma superprodução de época.

Em 2005, por falta de recursos em função de injunções políticas e reversão de prioridades dos produtores, o projeto foi interrompido após as filmagens de algumas poucas cenas. Desde então, o filme Viva o Povo Brasileiro jazia como pura memória para André Luiz e sua equipe. A ressurreição se dá no documentário O Outro Lado da Memória.

Nele, André se debruça sobre o material e as lembranças do quase-filme – e se sai com um filme maiúsculo que chega perto de nos restituir aquele que deixou de ser feito. Com isso, adiciona mais um exemplar de cinema autorreflexivo, como são os seus Meteorango Kid – Herói Intergalático, Louco por Cinema e Sagrado Segredo.

Buscar o outro lado da memória abrange revisitar a importância antropológica e literária do livro ubaldiano, que narrava a independência do país do ponto de vista da senzala. Inclui voltar aos membros da equipe, revisitar as locações principais na Ilha de Itaparica (terra de João Ubaldo e cenário frequente na infância de André Luiz), retirar dos baús os belíssimos storyboards, os materiais de pesquisa e, principalmente, as providenciais gravações de making of.

Aliás, esse filme é um elogio do making of, inclusive e sobretudo para projetos que não cheguem a se concretizar na tela. É o que pode garantir a permanência de uma memória, além de – como se vê aqui – dar corpo a um resgate precioso. As cenas de testes e oficinas de atores (conduzidas por Márcio Meirelles, um dos criadores do Bando de Teatro Olodum), o registro dos trabalhos da equipe de arte (cenografia, objetos, figurinos) e da pesquisa de locações no Recôncavo Baiano dão uma ideia do capricho e da escala da produção, ao mesmo tempo em que nos fazem perguntar como se deixa tanto amor pelo cinema no meio da estrada.

O Outro Lado da Memória é a melhor resposta: retomar de outra forma, recuperar o muito que foi feito em outra chave, perguntar a si mesmo e aos outros. André Luiz interroga-se sem lamentação. Tenta mais uma vez compreender as razões políticas e econômicas da interrupção e procura, com a ajuda de intelectuais e artistas próximos, entender essa vocação brasileira para não seguir adiante, para não “tornar-se”, como diz o psicanalista Roberto Gambini. Indo além da autorreflexividade para chegar ao filme-ensaio, ele entrecruza referências etnográficas, históricas e espirituais no rumo de uma visão holística dos significados de Viva o Povo Brasileiro.

Tudo isso chega à tela eivado do estilo ponderado e poético que caracteriza o cinema mais recente de André Luiz. O sentido de espiritualidade (não religião) se sobrepõe a qualquer interesse mais rasteiro em sua investigação. Isso não o impede, porém, de fazer uma inesperada conexão da sina escravocrata brasileira com a votação do impeachment de Dilma Rousseff (o filme é de 2018). É o aceno da memória para o contemporâneo.

Por fim, vale mencionar a beleza das poucas cenas filmadas agora nos teatros Castro Alves e Vila Velha, com fotografia de Luís Abramo e um mar cenográfico de grande impacto. Se acabamos ficando sem aquele filme completo , temos sua reverberação numa forma admirável. Isso é bem mais que um prêmio de consolação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s