A nossa era do rádio

Sem tempo para rever ou escrever novo texto sobre o doc Programa Casé: o que a Gente não Inventa, não Existe, limito-me a publicar de novo o pequeno comentário que fiz sobre o filme à época do Festival do Rio 2009: 

O filme de Estevão Ciavatta tem que ser entendido no contexto dos docs-família que vicejam atualmente no Brasil. São quase extensões do filme doméstico, tal é a participação dos familiares e tal é o coquetel de simpatia e admiração que move o projeto. Nesses limites, onde não cabem a contradição nem a ambivalência, Programa Casé é um programa bacana. A biografia de Ademar Casé, o patriarca do clã, self made man versão brazuca, enseja uma visita gostosa aos primórdios do rádio no Brasil. Nesse campo, Ademar jogou nas onze: aprendeu a construir rádios-galena, foi vendedor de rádios a domicílio e acabou por se tornar o primeiro grande produtor e formatador do rádio brasileiro. O doc faz um esforço considerável para exumar velhas joias visuais e sonoras, que deliciam a plateia. Na atualidade, capta alguns bons momentos, como uma performance musical do velho Braguinha e uma hilária entrevista de Regina Casé com a família Caymmi. No mais, é uma cronologia ilustrada, sucessão de efemérides na vida de um homem com faro para a publicidade e espírito empreendedor.   

3 comentários sobre “A nossa era do rádio

  1. Realmente é um baita privilégio fazermos uma revisitação aos antanhos da nossa história radiofônica e descobrir que muito da Era do Rádio (Brasil) teve a iniciativa pessoal de um personagem – Casé. Mas quando subiram os creditos finais fiquei intrigado, aqueles sequencias da Cidade Maravilhosa inicio do século XX do filme “Terra Encantada” (1923) de Silvino Santos (1886-1970), mas não constava o seu nome e sim “Acervo Roberto Kahane”. O mesmo já havia acontecido no filme sobre o “Cristo Redentor” (Bel Noronha). Gostaria de esclarecer esse equivoco. No inicio anos 70, o que restou do filme “Terra Encantada” se transformou em dois curtas metragens “”Fragmentos de Terra Encantada” e “1922-A Exposição da Independência” de Roberto Kahane e Domingos Demasi. Quem deve estar vendendo as imagens de Silvino Santos com outro nome? Cinemateca MAM-RJ? Cinemateca Brasileira?

      • Hernani Heffner esclarece que “a Cinemateca do MAM não vendeu imagens para o Programa Casé e para o filme da Bel Noronha o trecho cedido foi do filme Os Japoneses no Rio. Os materiais do Silvino Santos estão todos na Cinemateca Brasileira”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s