Estranhos no continente

Em entrevista a Marilia Martins, o escritor mexicano Carlos Fuentes estranhou a distância dos brasileiros em relação ao idioma espanhol: “Existe hoje um intercâmbio intenso entre escritores dos países de língua espanhola, e não existe o mesmo com os brasileiros, que ficam isolados no continente latino-americano”. E se perguntava: “Por que os brasileiros não são incentivados a aprender espanhol no curso primário, junto com o português?”.

Eu vivo me perguntando isso. Por que aprendemos desde cedo a língua dominante e não temos nenhum interesse pela língua lateral, que nos cerca por três lados? O resultado é esse isolamento, que muitos latino-americanos percebem como soberba. Por conta disso, à boca pequena, o Brasil costuma ser tachado de autosuficiente cultural ou excessivamente voltado para a cultura americana.

Nos festivais de cinema sul-americanos, é comum ver o gap de comunicação entre brasileiros e os demais. Com poucas exceções, nós acabamos formando guetos de conterrâneos, enquanto argentinos, bolivianos, uruguaios, chilenos e peruanos vivem um clima de interação, discussão e congraçamento. Não só na literatura como no cinema e em todas as áreas, teríamos muito a ganhar com uma integração continental – e me refiro à esfera individual, pois só ela pode injetar legitimidade e abrangência a mecanismos oficiais como o Mercosul.

Por que não implantar o ensino de espanhol desde o primeiro grau, para que os brasileiros cresçam sabendo olhar não só para cima, mas também para os lados?   

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s