Dias de Marília

Marília Rocha conversa amanhã (sábado), após a sessão das 14 horas, com o público do Instituto Moreira Salles. A salinha da Gávea está exibindo desde ontem e até o dia 2 um programa duplo com os dois últimos docs da mineira Marília, Acácio e A Falta que me Faz.

Marília é uma das mais interessantes expressões do novo documentarismo brasileiro. Seu primeiro longa, Aboio, de 2005, ganhou a competição nacional do É Tudo Verdade e ficou na memória de quem o viu pela densa e bela fusão da imagem e dos sons nordestinos com uma estética contemporânea provinda da videoarte.

Acácio (2007) pega uma carona nas memórias e nos filmes domésticos de um casal de imigrantes portugueses para tecer uma teia caprichosa de etnografia amadora e reminiscências familiares. Leia minha resenha do filme no velho DocBlog

Já o mais recente A Falta que me Faz (2009) me satisfez um pouco menos que os trabalhos anteriores. O filme registra as inquietações de quatro meninas da localidade de Curralinho, distrito de Diamantina (MG). Alessandra, Valdênia, Priscila e Shirlene estão no limiar da mocidade. Suas preocupações envolvem gravidez, casamento, rivalidades afetivas, suicídio por amor. Há uma certa gravidade, embora sempre sorridente, nos diálogos que elas estabelecem entre si e eventualmente com a própria diretora. Marília Rocha não se contenta com a pura observação, mas também questiona e provoca conversas, quebrando o seu próprio código inicial. Na melhor sequência do filme, Alessandra reverte o foco interrogando a equipe. Em outro momento, Valdênia convida a diretora para a lista de potenciais madrinhas do seu futuro bebê.

Marília preserva a descontinuidade e a abordagem casual, tanto na câmera manual como na montagem. Não há intenção de criar uma ordem sequencial, mas um conjunto de situações mais ou menos independentes. Ela investe na capacidade de expressão oral e corporal das meninas. Nem sempre, porém, esse desempenho sustenta a arquitetura do filme, que vacila aqui e ali na mera conversa vadia.

Um comentário sobre “Dias de Marília

  1. Pingback: Carlos Alberto Mattos e a Mostra do Filme Etnográfico | Aurora de Cinema Blog

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s