Fabulações entre prateleiras

MEU QUERIDO SUPERMERCADO no streaming

No princípio era a luz fluorescente, a instalação do piso e da parte elétrica, a montagem das prateleiras. Depois veio o verbo: as indicações de onde ficará cada produto. Em seguida, as prateleiras foram cuidadosamente preenchidas. Por fim e aos poucos, apareceram as criaturas humanas.

Na primeira sequência, a gênese de um supermercado, já vemos que a diretora Tali Yankelevich e sua equipe não querem apenas deixar um depoimento sobre o mundo, mas também fazer bom cinema.

Essa impressão se estende por todo o resto de Meu Querido Supermercado, filme em que tal espaço, tão estratificado e mesmo estigmatizado, ganha uma ressignificação como lugar de romance, comédia, fantasia, especulações metafísicas, terror e outras fabulações. A proposta é mostrar que, em meio a frutas, iogurtes e cortes de carne, existem pessoas com sonhos, curiosidades, humores e dramas. Dito assim, pode soar ingênuo e óbvio. Mas é na forma como Tali trabalhou essa ideia que reside o encanto inusitado do documentário.

A montagem excepcional de Marco Korodi, que também assina como corroteirista, privilegia os fragmentos de conversas entre os funcionários (nenhum “chefe” em cena) ou de falas para a câmera a fim de criar um mosaico de vivências apenas insinuadas. Uma câmera perspicaz capta detalhes corporais ou do cenário comercial, que vão sendo incorporados ao discurso principal. Tudo se encaixa harmoniosamente, seja como referência direta, seja como metáfora.

Entre os personagens destacam-se o funcionário da padaria, aplicado estudioso de física quântica e mistérios históricos, e a divertida relação de afeto que mantém com uma colega de setor; o padeiro apaixonado por mangás e reticente quanto a namoros; a vigilante que observa virtualmente a filha operando no caixa; o empilhador que aprecia games de construção de cidades; o caixa que se deixa enamorar por clientes que passam diante dele.

Pelas perguntas colocadas em off na cena de abertura, presume-se que Tali Yankelevich partiu do mesmo ponto que Jean Rouch e Edgar Morin em Crônica de um Verão, ou seja, indagações simples sobre a felicidade. Assim emergem considerações sobre amor, fé, vida depois da morte, trabalho repetitivo, dedicação profissional.

Apesar de algumas alusões a ataques de ansiedade e solidão, não há um interesse crítico pela exploração do trabalho num dos templos do consumo. Alguns podem até achar que o filme funcione como um institucional daquela rede de supermercados, com tanta gente sorridente e trabalhando com prazer em ambiente organizado, higienizado e razoavelmente agradável. O teor afetivo do título aponta para isso.

O filme opera, porém, numa chave humanística, realçando o contraste entre a imagem pública do supermercado e o imaginário de pessoas que os habitam por muito mais tempo do que a maioria de nós, que apenas passamos por ali sem atentar para elas. Nisso, Meu Querido Supermercado é de uma eficácia admirável. E muito, muito divertido.

>> Meu Querido Supermercado está no Google Play, Looke, Youtube Filmes, Now e Vivo Play.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s