O princípio e o fim

MICHELLE E OBAMA e A ECONOMIA DO AMOR fazem a crônica do desabrochar e do fenecimento dessa entidade chamada casal.

southside-with-you-webHá umas poucas razões para simpatia em torno de MICHELLE E OBAMA. O fato de ser uma produção pequena, independente, sem qualquer pompa hollywoodiana, combina bem com a imagem do casal. O recorte radical – apenas uma tarde-noite do verão de 1989 – confere ao filme do estreante Richard Tanne uma leveza semelhante aos passeios românticos de Richard Linklater na série “Antes…”. Naquela tarde de 1989 em Chicago, na qual a paquera passou à fase do romance, o filme procura condensar o máximo de informação sobre o passado dos dois e todas as possíveis insinuações do grande destino que os esperava.

Mas são bem maiores as razões para tudo aquilo não passar de uma rematada mistificação e uma das ideias mais supérfluas a terem surgido no cinema americano ultimamente. O jovem Barack (Parker Sawyers), com seu carro desmantelado e lábia articulada, e Michelle (Tika Sumpter, também produtora do filme), toda elegância e falsas objeções, estão ali como meras idealizações. Limpinhos, conscientes e seguros de si. O périplo vesperal os leva a todos os pontos passíveis de mostrar quão interessantes, bem-intencionados e conectados com a cultura afro-americana eles são: uma exposição de arte africana, uma preleção sobre o pintor Ernie Barnes, uma matinê de “Faça a Coisa Certa” (Spike Lee), um poema da autora negra Gwendolyn Brooks, um elogio de Stevie Wonder. E, claro, uma reunião comunitária em que o advogado e futuro presidente exibe seus dotes de oratória e bom senso político.

Não faltam oportunidades para Michelle dar algumas lições de conduta ao quase-namorado, deixando clara a dívida de Barack a essa inspiradora união. Mas o dia não terminará sem que ela sucumba ao charme dele e nós, espectadores, nos perguntemos o que, afinal, esse filme quis nos mostrar. A não ser pelo fato de que vê-lo agora, logo depois da vitória de Trump, é como dar um adeus melancólico aos bons propósitos que não chegaram a se cumprir para os EUA e o mundo.



A ECONOMIA DO AMOR (L’Économie du Couple) ganhou um título internacional interessante: “After Love”. O que vem depois do amor para um casal que já não se tolera mais e, no entanto, segue vivendo sob o mesmo teto? Marie (Bérénice Bejo) e Boris (o ator e cineasta Cédric Kahn) continuam ligados por outros fatores: duas filhas gêmeas – signos do inseparável – e a inferioridade financeira do marido, que detona uma luta de classes entre os dois. A necessidade de partilha se estende da privacidade no banheiro e a segregação das prateleiras da geladeira à posse do apartamento e à disputa pelo afeto das crianças e dos amigos comuns. Depois do amor, fica a guerra.

O diretor Joachim Lafosse disseca a situação em várias frentes sem explicar muito as razões do fracasso conjugal. Isso pouco interessa, assim como os pontos cegos no comportamento de Marie e nos envolvimentos externos de Boris. O roteiro cria boas áreas de ambiguidade para os personagens: o que estaria por trás da determinação dela em se separar? Quanto de vitimização se coloca nos argumentos quase marxistas dele sobre a natureza da riqueza e o valor do amor?

O filme dribla espertamente algumas armadilhas do gênero “casal em crise”, preferindo o aprofundamento das contradições às soluções mágicas. Destaco também a exímia linguagem naturalista da direção, com uma câmera fluida no encalço dos atores em longos planos-sequência móveis e a provável contribuição do elenco para forjar uma atmosfera convincente de vivência familiar em quadro de instabilidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s